O B-1B Spectre é sendo rebocado na Base Aérea de Tinker, Oklahoma. Foto: Paul Shirk/USAF.

Um bombardeiro supersônico B-1B Lancer aposentado pela USAF no mês passado está sendo usado como objeto para o treinamento de reparos de batalha pelos mecânicos do 76º Grupo de Manutenção Expedicionário (EDMX) da Base Aérea de Tinker, no estado americano de Oklahoma. 

O B-1 matrícula 86-109 e batizado como “Spectre” foi rebocado da linha de voo para um centro de treinamento de Reparo de Danos de Batalha em Aeronaves (ABDR) no lado sul da base. O reboque do avião através da “Patrol Road” da Base de Tinker chamou atenção. 

O Primeiro Tenente Mason Shaw, comandante do EDMX, disse que a mudança exigiu muitos grupos de coordenação, incluindo a Ala de Comunicação Estratégica ONE da Marinha, o Escritório de Programas do Sistema B-1, o 72º Esquadrão das Forças de Segurança, Relações Públicas, Oklahoma Gas & Electric, os 567º e 569º Esquadrões Manutenção de Aeronaves , Engenharia Civil, Alutiiq e a engenharia do próprio 76th EMDX.

“Queremos estender nossa gratidão a todos os nossos parceiros dE Tinker que tornaram esta operação uma operação bem-sucedida, especialmente Jonathan Harkness, que liderou o esforço”, disse ele.

O Spectre, o segundo de 17 de bombardeiros que a USAF planeja aposentar, se junta a duas outras aeronaves que servem como treinadores de manutenção: um bombardeiro B-52 Stratofortress e um avião de transporte C-135 Stratolifter, apelidado de “Speckled Trout”, que tem a mesma estrutura do KC-135 Stratotanker.

“Esta aeronave será importante para treinar para técnicas de reparo avançadas e como um auxílio de teste de engenharia para forma, ajuste e função de futuras modificações e reparos estruturais”, disse o coronel Greg Lowe, comandante do 76º Grupo de Manutenção de Aeronaves.

Preparar o B-1B para seu trabalho de retirada exigiu a remoção dos motores, alguns aviônicos e outros equipamentos não essenciais para sua nova missão. Para a aeronave deixar a linha de voo com segurança e viajar para sua nova casa, duas rampas de cascalho temporárias foram construídas. Uma série de sinais de trânsito, postes e uma linha de energia tiveram que ser removidos temporariamente para desobstruir a passagem do bombardeiro. 

As características asas de geometria variável da aeronave foram mantidas em posição recolhida (para trás) para manter a envergadura a mais estreita possível. Além disso, dois contrapesos foram suspensos na seção dianteira da aeronave, cada um pesando 2.640 libras (1197,4 quilos). 

O B-1B “Spectre” chegando no EDMX para servir como uma aeronave de treinamento de reparos. Foto: Paul Shirk/USAF.

A viagem de meia milha durou aproximadamente 20 minutos. Na segunda-feira seguinte, as asas do “Spectre” foram estendidas manualmente, uma de cada vez, usando apenas uma furadeira sem fio, o que levou cerca de 5 minutos por asa, processo que demora apenas 10 segundos em voo. 

O “Spectre” teve um caminho incomum para sua nova casa. Após registrar 12.136 horas de voo, ele sofreu um incêndio em voo em 2018, desviando para o Aeroporto Internacional de Midland perto de Odessa, Texas. A aeronave foi levada para Tinker pelo 10º Esquadrão de Teste de Voo, com apenas três motores em funcionamento, para um reparo em nível de parque por conta dos danos causados ​​pelo fogo.

“As equipes do Complexo de Logística Aérea de Oklahoma City consertaram a nacele danificada, substituíram o sistema de ejeção e realizaram a modificação da Estação de Batalha Integrada e uma revisão completa da Manutenção Programada do Depósito”, disse Lowe. “Apesar de todo o trabalho, a aeronave foi selecionada para aposentadoria, mas será uma adição bem-vinda ao programa da ABDR.”

Parte do 76º AMXG, a Esquadrilha de Manutenção do Depósito Expedicionário é responsável por manter a única fonte da Força Aérea para recursos de reparo rápido ABDR para todas as frotas de petroleiros e bombardeiros.

O B-1B com uma de suas asas já totalmente estendida. Foto: Paul Shirk/USAF.

Via DVIDS