Bombardier quer vender divisão de jatos executivos para a Cessna

A Bombardier está discutindo uma possível venda de sua unidade de jatos executivos à Textron, administradora da Cessna, segundo relatos, uma medida que, se concluída, colocará a Textron para o segmento de jatos executivos de grande porte.

O Wall Street Journal publicou nesta última segunda-feira (04) que as empresas estavam discutindo esse acordo, o que poderia permitir à Bombardier pagar parte de sua dívida maciça.

A Textron, com sede em Providence, se recusa a discutir o relatório, assim como a Bombardier, com sede em Montreal. Ambas as empresas dizem que não “comentam rumores de mercado”.

Ter a unidade de jatos executivos da Bombardier daria à Textron uma linha de aeronaves no segmento de cabines grandes e de alcance ultra longo, incluindo os mais recentes lançamentos, como o Global 7500 e Global 6500.

O relatório acrescenta que os mais de 4.700 aviões executivos da Bombardier atualmente em serviço dariam à Textron um negócio robusto de pós-venda.

A unidade Textron Aviation, sediada em Wichita, possui a Cessna, que fabrica uma variedade de aeronaves, desde jatos leves e turboélices até grandes jatos executivos, como o carro-chefe Citation Longitude, que pode transportar 12 passageiros e tem alcance de 3500nm (6480 km).

Citation Longitude é o maior produto da Cessna no ramo de jatos executivos, mas não concorre com os grandes aviões da Gulfstream e da Dassault.

A Textron Aviation também está desenvolvendo através da Cessna o Denali, um turboélice monomotor e uma aeronave cargueira turboélice chamada SkyCourier.


A Textron Aviation tentou intensificar sua oferta de produtos com o Hemisfério de Citação de 12 passageiros e 4500nm de alcance, mas problemas de motores obrigaram a Textron a arquivar esse projeto em 2019.

A Bombardier está entre os principais produtores mundiais de jatos executivos. Sua linha principal da Globals inclui os 5500, 6500 e 7500. O 7500 pode transportar 19 passageiros, possui autonomia de 7700nm (14500 km) e velocidade máxima de Mach 0.925.

 

Bombardier quer sair da aviação

A Bombardier luta há vários anos contra uma crise financeiro, com muitos dos desafios financeiros da empresa decorrentes dos custos de desenvolvimento do CSeries.

A Bombardier entregou a participação majoritária da Airbus nesse programa, agora chamado de A220, em 2018. A empresa de Montreal ainda detém 33% do programa A220, mas em janeiro afirmou estar reavaliando sua participação, e poderá vender o restante para a Airbus.

A alienação do CSeries desencadeou uma saída mais ampla da Bombardier da aviação comercial. A fabricante vendeu a linha Dash 8 de turboélices, e concordou em vender seu programa CRJ e vários locais de fabricação e manutenção de aeronaves.

 

DEIXE UMA RESPOSTA