maturidade setor aéreo

Nos últimos meses, o brasileiro tem visto o cotidiano corporativo mudar, retomar velhos hábitos. Com o fim das restrições de viagens devido ao avanço da vacinação, muitas empresas e organizações têm procurado cada vez mais por turismo corporativo e encontros presenciais.

E quem achou que o modelo remoto colocaria fim nas viagens a trabalho, se enganou. O ViajaNet, agência online de viagens, apurou 17.167.600 buscas no Google por termos relacionados ao segmento de turismo no último ano, no período de março de 2021 a março de 2022, e também no primeiro trimestre deste ano.

Os resultados mostram o comportamento digital dos brasileiros e revelam que têm procurado ainda mais por essa modalidade no buscador.

Termos pesquisados no Google

Aumento anual 

(mar 2021- mar 2022)

Turismo de negócios

22%

Viagens corporativas

51%

(Crédito: ViajaNet)

Segundo dados da Associação Brasileira de Agências de Viagens Corporativas (Abracorp), ao todo, o setor brasileiro de viagens corporativas faturou R$ 869 milhões somente em março deste ano, apenas 2% menor quando comparado a 2019, quando o valor chegou a R$ 890 milhões.

Além disso, também de acordo com a Abracorp, no Brasil, as viagens de negócios representam 60% dos bilhetes aéreos emitidos. 

A retomada de eventos, a volta do trabalho presencial e híbrido e as viagens que misturam lazer e atividades corporativas têm feito o segmento ficar em evidência no começo deste ano.

Só nos últimos três meses, as buscas pelo termo “viagens corporativas” tiveram um aumento de 127%, enquanto “turismo de negócios” cresceu 50% e “turismo corporativo” 22%, de acordo com o recente levantamento do ViajaNet.

 

No radar: novas tendências para viagens corporativas

Além de retomar antigos hábitos, a escolha das empresas em propor o turismo de negócios (também conhecido como turismo corporativo ou viagem corporativa) ainda está ligada à qualidade de relacionamento entre funcionários e clientes e networking.

Entre as novas tendências para viagens corporativas em 2022, é possível observar a busca em tentar unificar praticidade com tecnologias mais eficientes, como, por exemplo, check-in e check-out sem contato e aplicativos e chats para contatos com os hóspedes e hotéis com espaço para coworking.

Para Daniely Oliveira, Gerente de Marketing  do ViajaNet, o brasileiro tem se adaptado aos poucos.

“Por ainda estarmos em pandemia, muitas dessas pesquisas por turismo corporativo vêm seguidas de cuidados que ainda devemos tomar ao decidir realizar uma viagem a trabalho. Muitos eventos corporativos foram adiados em 2020 e 2021, e estão retomando agora. Então, esse pico na procura tem uma tendência de ser ainda mais forte”, aponta.

Nessa mesma linha, o setor também tem outra tendência que veio para ficar, o “bleisure”, a junção de trabalho com lazer, proporcionadas no mesmo destino, visto que o trabalho remoto ainda é uma modalidade adotada pela maioria das empresas.

Este tipo de viagem também explica o boom nas procuras pelo setor, usuários que buscam entender como fazer sua viagem corporativa e ainda aproveitar para conhecer novos lugares.