Silueta de um F-5EM com o pôr do sol do cerrado ao fundo

Hoje completam-se 45 anos de serviço do F-5 Tiger II na Força Aérea Brasileira.

O principal caça da FAB atualmente foi entregue de forma simbólica em 28 fevereiro 1975 na cidade de Palmdale, na Califórnia, EUA. A chegada dos primeiros caças ao Brasil aconteceu em março deste mesmo ano, marcando assim uma história de muita importância para a FAB.

O governo brasileiro adquiriu 42 unidades do ágil caça norte-americano.O translado dos caças foi feito por pilotos da FAB que receberam apoio do “Gordo”, o C-130 Hercules.

Caças F-5E Tiger II- Foto; Arquivo FAB

Durante todos estes anos o F-5 dividiu espaço com outros dois supersônicos, o Dassault Mirage III que chegou ao Brasil em 1972 e operou até 2005, e o Mirage 2000, que ficou de 2006 a 2013 operando pela FAB. Com a aposentadoria do Mirage 2000, o F-5 ocupa hoje o principal posto de defesa aérea do país.

Atualmente, as aeronaves já cumpriram quase 285 mil horas de voo pela Força Aérea Brasileira e ao longo destas horas de voo e destes 45 anos de serviços prestados os F-5 já participaram de diversos exercícios dentro e fora do país, bem como pronto alerta e missões reais de interceptação.

Uma delas se tornou bastante conhecida e aconteceu em meio a Guerra das Malvinas, em 1982, (conflito entre a Argentina e o Reino Unido). Dois Caças F5E foram acionados da na Base Aérea de Santa Cruz-RJ (ALA 12) para interceptar um bombardeiro Vulcan da RAF (Real Força Aérea Inglesa) que havia entrado no espaço aéreo brasileiro sem a devida autorização. Com a interceptação feitas pelos pilotos da FAB os pilotos do Vulcan foram obrigados a pousar no Aeroporto do Galeão-RJ.

Caças F-5EM decolam da ALA 2

Hoje quatro bases em pontos estratégicos do país operam os caças F-5, são elas; a ALA 2, em Anapólis-GO, a ALA 3, em Canoas-RS, a ALA 8, em Manaus-AM e a ALA 12, no Rio De Janeiro.


Para que fosse possível operar os Tigers por tanto tempo foi necessária uma completa modernização dos caças que incluiu um novo radar, novos sistemas de bordo e dos armamentos. Bem como a capacidade de mira acoplado no capacete do piloto. O processo de modernização durou sete anos e introduziu a nossa força aérea em um patamar mais moderno.

 

  O Futuro do F-5 Tiger:

O futuro dos F-5EM/FM da FAB já está traçado, previsto para 2021 a FAB vai começar a receber os caças Gripens NG, ou F-39 como serão chamados por aqui, estes caças vão alavancar nossa força aérea a um patamar de soberania e modernidade e vão começar uma nova era dentro de nossa aviação militar.

Caça F-5EM Taxiando na ALA 2

Os F-5EM/FM irão sendo substituídos a medida que os F-39 forem chegando e sendo introduzidos na FAB. Ainda não ainda ao certo o que serão feitos dos caças após a conclusão da chegada dos novos Gripens. Mas é certo que nosso Tiger assim como os dois deltas franceses irão deixar muitas saudades após todos estes anos de serviço em prol da defesa aérea do Brasil.

 

DEIXE UMA RESPOSTA