Cade aprova aquisição da Tempest pela Embraer

HUD (Heads Up Display), que é uma características das aeronaves da família dos 190 e 195 da Embraer, também está presente no KC-390

O Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) aprovou a aquisição da empresa de cibersegurança Tempest pela Embraer, a gigante do setor aeronáutico.

Fundada no Recife no ano 2000, a Tempest é uma das empresas investidas pelo Fundo de Investimento em Participações (FIP) Aeroespacial criado pelo BNDES, pela FINEP, pela Agência de Desenvolvimento Paulista (DESENVOLVE SP) e pela própria Embraer, com o objetivo de fortalecer a cadeia produtiva aeroespacial, aeronáutica, de defesa e segurança.

Por meio do Fundo Aeroespacial, a Embraer já tinha participação indireta na Tempest desde 2016.

A Embraer vai adquirir ações da Tempest diretamente do FIP Aeroespacial, que já tinha participação anteriormente.

Para a Tempest, o investimento da Embraer, além de demonstrar a relevância que a cibersegurança tem hoje para a indústria de alta tecnologia e o setor de defesa, significa a potencialização das perspectivas de crescimento e expansão dentro e fora do Brasil. O país é o segundo do mundo com maior índice de cibercrimes, perdendo apenas para a Rússia.

Como consequência, as empresas brasileiras perdem até US$ 10 bilhões por ano em crimes virtuais, que envolvem roubos financeiros, de propriedade intelectual e de informações confidenciais.

Potencializada pelo investimento da Embraer, a Tempest seguirá como uma empresa autônoma, mantendo a sua marca, o seu time de sócios e líderes, encabeçado por Lincoln Mattos, os seus mais de 300 colaboradores e a sua independência e agilidade operacional.


 

DEIXE UMA RESPOSTA