Câmara dos Deputados gastou R$ 45,5 mil com uma passagem em 2015

O valor de R$ 45,5 mil já foi gasto pela Câmara dos Deputados para comprar apenas uma passagem aérea. Pelo menos é isso que apurou o jornal O Estado de S. Paulo em um levantamento feito recentemente.

A passagem de R$ 45,5 mil era de um voo internacional, no total esses tipos de voos representaram 90% do gasto com passagem aérea desde 2015, um aumento significativo de 41% nas viagens internacionais parlamentares contribuiu para esse número.

Ainda de acordo com os dados obtidos pelo jornal O Estado de S. Paulo, cerca de 1,4 mil viagens foram bancadas pela Câmara dos Deputados desde 2015. O deslocamento por trabalho, que os deputados realizam praticamente toda semana, não está incluído nesse número divulgado.

O número de 1400 viagens desde 2015 é alto, dá praticamente 1,3 viagem por dia. Se descontamos o período de recesso parlamentar e os dias não trabalhados (folga) essa média aumenta. O valor total desembolsado pela Câmara foi de R$ 7,6 milhões.

 

Viagens

Em uma comitiva à China em 2017 com oito deputados, uma passagem no valor de R$ 36,6 mil foi registrada no nome do deputado Damião Feliciano. Esse foi o bilhete mais caro de 2017, e o 8º mais caro desde 2015.

O bilhete de R$ 45,5 mil informado no título foi em uma viagem realizada em 2015, assim como os cinco mais caros dos únicos três anos. Nessa mesma viagem outro bilhete no valor de R$ 45,3 mil foi emitido. Participaram dessa comitiva ao Cazaquistão e Georgia os deputados federais Cláudio Cajado (DEM) e Antônio Imbassahy (PSDB), ex-ministro do Governo Temer e Governador da Bahia.

Todas essas passagens citadas acima foram em Classe Executiva, eles (Cláudio e Antônio) tiveram esse direito a voar com Upgrade de classe pois eram procurador legislativo e líder do partido à época, respectivamente.

Cláudio Cajado aparece novamente na lista, pois fez a Câmara dos Deputados pagar mais de R$ 280 mil em viagens.

O terceiro colocado da lista, o deputado José Rocha (PR-BA), com uma passagem de R$ 43,1 mil ainda citou:  “Eu vou saber de preço? Viajei, mas não fui eu quem comprou [O bilhete]”. A viagem foi para o Vietnã.

 

Via – UOL