Casco do porta-aviões NAe A-12 São Paulo é arrematado por mais de R$ 10 milhões

NAe A-12 São Paulo

De acordo com o site Airway, casco do antigo porta-aviões NAe A-12 São Paulo da Marinha do Brasil foi arrematado por um valor de R$ 10.550.000,00. A negociação de leilão foi feita por uma empresa fluminense, mas o real comprador ainda é desconhecido.

Não é a primeira vez que se tenta vender a embarcação, em 2019 e 2020 tiveram tentativas mas nenhuma foi confirmada, na época o valor R$ 5.309.733,65.

Em janeiro de 2021 saiu um edital da Comissão da Licitação, que nomeou três empresas habilitada spara participarem do leilão, Rota Shipping Inc e a Sok Denizcilik ve Ticaret, ambas da Turquia, e a Aratu Serviços Marítimos, essa última brasileira com sede em Salvador (BA).

Foto/Divulgação Marinha do Brasil

Hoje, o A-12 não tem mais condições de ser utilizado então a embarcação foi oferecida como sucata. Entretanto, o comprador deverá assegurar que a reciclagem da embarcação aconteça de forma segura e respeitando as diretrizes ambientais, bem como as normas da Organização Marítima Internacional (IMO).

Durante a ata de pré-credenciamento do leilão, as duas empresas turcas acertaram desmontar o São Paulo na Turquia, já a brasileira Aratu Serviços Marítimos iria realizar essa ação no porto de Alang, Índia. Vale ressaltar que todo o processos de transito até os destinos finais do NAe A-12 são por cargo das empresas.

Breve Histórico do NAe A-12 São Paulo:

O NAe A-12 São Paulo foi comprado da França em 2000. Quando operava na França o A-12 era conhecido como Foch. A embarcação passou por muitos problemas e manutenção no tempo que ficou em serviço na Marinha do Brasil.

O A-12 foi desativado em 2017, após 18 anos de uso e bastante manutenções. O São Paulo foi vendido pela França em 2000, por um valor estimado em US $ 12 milhões, mas com o passar dos anos as manutenções que foram feitas somaram 100 milhões.

Porta-aviões NAe A-12 São Paulo

O São Paulo passou 206 dias no mar e navegou 85.344 km, neste período foram usados os A-4 Skyhawk nas operações aero embarcáveis. 

As proporções do NAe São Paulo eram boas, o navio tinha um peso bruto de 33.000 toneladas e 205 metros. E no período que o Brasil usou embarcação era a única da América do Sul a operar um porta-aviões e fazia parte de um seleto grupo que tinha capacidade de operar um embarcação como esta. Países como EUA, Rússia, Índia, França, Grã-Bretanha, por exemplo, fazem parte deste grupo seleto.

A aviação naval que operava no A-12 eram de asas rotativas e asa fixa, essa última tem como destaque os AF-1 (A-4 Skyhawk). Os caças que atualmente continuam em operação a partir da base aeronaval de São Pedro D´Aldeia-RJ.

Foto/Divulgação Marinha do Brasil

Hoje a esquadra da Marinha do Brasil conta com o porta-helicópteros NAM “Atlântico”, a embarcação de origem inglesa custou US$ 115 milhões.

PHM Atlãntico- Foto: MB