Foto - Divulgação

(Reuters) – O presidente-executivo da Boeing disse na terça-feira que as consequências financeiras decorrentes da suspensão de seu avião 737 MAX não diminuiriam o apetite da maior fabricante de aviões do mundo por acordos no setor de serviços para aeronaves, de margens mais altas.

“Nossa capacidade de fazer isso continua forte”, disse o presidente-executivo da Boeing, Dennis Muilenburg, à Reuters na fábrica da empresa ao norte de Seattle, referindo-se às aquisições que fez para ampliar sua divisão de serviços globais, iniciada há dois anos.

 

“Temos capacidade financeira para gerenciar a situação do MAX e continuar fazendo nossos investimentos para o futuro”, afirmou.

O jato foi suspenso em março após dois acidentes. A empresa está trabalhando em uma correção do software que causou ambos os acidentes e tem como objetivo voltar a voar com o jato a partir de outubro. Ele completou cerca de 560 voos com o novo software, disse Muilenburg na terça-feira.

“Ainda esperamos que ele retorne ao serviço no início do quarto trimestre”, disse Muilenburg. “Estamos progredindo nesse cronograma”.
 

Enquanto isso, Muilenburg pretende expandir o negócio de serviços que inclui peças, manutenção e análises de aeronaves para uma receita de 50 bilhões de dólares em uma década, em relação à receita de 2018, de 17 bilhões.

A Boeing comprou a distribuidora de peças KLX no ano passado por 4,25 bilhões de dólares, incluindo dívidas, em seu maior negócio desde a fusão com a McDonnell Douglas em 1997. A Boeing e a rival Airbus estão entrando no mercado de reparos, manutenção e análises, conforme companhias aéreas consideram a terceirização desses serviços em um esforço para reduzir custos.