Foto - Embraer/Divulgação

O mercado de aviação na China se destaca pelo seu enorme crescimento, liderando o setor de aviação no mundo em evolução, algo que está resultando até mesmo na construção de mega aeroportos no país.

E enquanto passa por uma reformulação para a joint-venture com a Boeing, a Embraer continua na sua “caçada” por novos clientes para a 2ª geração dos E-Jets.

Isso pode ser ressaltado por dois pontos, o E195-E2, equipado com a pintura “LionTech”, iniciou nesta semana uma turnê com foco no mercado asiático, e o CEO da empresa, John Slattery, ressaltou o foco da empresa no mercado chinês.

De acordo com Slattery, “todos os olhos da empresa estão na China” visto que o mercado “deverá liderar a quase duplicação da demanda mundial de viagens aéreas nos próximos 20 anos”.

John quer as aeronaves da Embraer entre as que estarão “voando para mais de 200 aeroportos que a Administração da Aviação Civil pretende construir até 2035, quase duas vezes o número que temos agora”.

A China é o segundo maior mercado nacional da família de aviões regionais Embraer E-Jet, depois dos EUA. Anteriormente a Embraer estimou uma demanda de 1390 aviões de até 150 assentos nos próximos 20 anos.