Ocorreu hoje (30/05) em Brasília um encontro entre o Ministro do Turismo Marcelo Álvaro Antônio, o CEO da Globalia, Javier Hidalgo, e o diretor de Desenvolvimento Internacional do grupo, Lisandro Menú-Marque.

No final desse encontro uma transmissão ao vivo foi realizada, onde os membros da Globalia tiveram um rápido momento para passar seus planos sobre o Brasil, incluindo a companhia aérea com sede no país, que ganhou recentemente a aprovação da ANAC.

Durante a transmissão ao vivo, que está disponível no final da matéria, o CEO da Globalia destacou que planeja ter uma boa rede de hotéis no Brasil, em destinos turísticos, fomentando o mercado nacional.

“Vamos também desenvolver no Brasil o modelo de gestão hoteleira que realizamos na Europa e no Caribe”, disse Javier Hidalgo à Bolsonaro.

Ele também ressaltou que a companhia está estudando um voo entre Madrid e Fortaleza, como parte de uma expansão de destinos internacionais da empresa. Isso pode ajudar a trazer mais turistas da Europa, para as praia do Brasil. Javier não confirmou uma possível data de início do voo, nem a frequência de operações.

Durante encontro realizado no Palácio do Planalto, a cúpula da empresa espanhola informou que entre os estudos previstos estão as rotas que poderão ser comercializadas pela operadora.

Não há plano de negócio para as operações no Brasil, apesar das autorizações. De acordo com Lisandro Menú-Marque, o planejamento das operações deverá começar amanhã, analisando possíveis rotas.

“Teremos no menor tempo possível um plano de negócios e um estudo das possibilidades apresentadas com esta oportunidade. Estamos estudando as rotas dentro do Brasil que nos permitem nos posicionar neste mercado”, garantiu Javier Hidalgo, dentro da fala de Lisandro.

A cúpula da empresa também destacou que o Brasil é o país com maior oportunidade de turismo na América Latina, isso contabilizando também o ramo aéreo, que é deficitário em termos de destinos atendidos e oferta atualmente.

A entrevista trouxe claramente um foco do grupo em criar uma companhia capaz de apoiar os voos internacionais, entre o Brasil e a Europa, distribuindo em hubs os passageiros para destinos nacionais, ao mesmo tempo a empresa indica que há muito mercado em destinos turísticos.

“As notícias trazidas pelos representantes da Globalia nos deixam extremamente confiantes de que estamos no caminho certo para fazer do turismo a mola propulsora da economia do nosso país. A entrada de uma nova empresa no nosso mercado permitirá redução dos custos das passagens aéreas e beneficiará os cidadãos brasileiros que desejam viajar. Este é apenas o primeiro passo, vamos em busca de outros competidores”, afirmou o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio.

Na ocasião, Javier Hidalgo agradeceu ao presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, por esta “oportunidade histórica” e prometeu que a empresa vai contribuir para a criação de emprego, ajudando assim a cumprir a meta do Plano Nacional de Turismo de dobrar o número de turistas estrangeiros que visitam o país, chegando a 12 milhões, quase o dobro dos atuais 6,6 milhões.

O grupo Globalia emprega cerca de 14000 pessoas atualmente, e a companhia aérea transporta mais de 11 milhões de passageiros por ano. O grupo também tem 1200 agências de viagens e vende 500 mil pacotes por ano. O faturamento do Grupo Globalia foi de € 3,8 bilhões em 2018.