DECEA Aeronáutica Espaço Aéreo
Foto: DECEA

O C-AIS CGNA assumirá todo o movimento de Confins, assim como a demanda de mais três C-AIS – de Brasília, Curitiba e São Paulo.

Nos últimos anos, a atividade AIS (serviço de informação de voo) tem se renovado, passando da roupagem de um serviço prestado para a de um gerenciamento da informação. Nesse caminho, a prática AIS no Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea (CGNA) se reinventou, colocando o profissional da área frente a diversos desafios.

Em parceria, o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA) e a Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo (CISCEA) desenharam o projeto de Centralização do Plano de Voo, posicionando o CGNA na figura de um Centro de Informação Aeronáutica (C-AIS), atuando incisivamente na aprovação de intenções de voo.

Tal processo permitirá um eficaz gerenciamento do fluxo das intenções de voo, incorporando à informação aeronáutica atributos tais como rastreabilidade, precisão, consistência e confiabilidade.

De acordo com o chefe do Subdepartamento de Operações (SDOP) do DECEA, Brigadeiro do Ar Eduardo Miguel Soares, o processo de Centralização de Planos de Voo trará ganhos significativos para a operacionalidade dos C-AIS no escopo do Sistema de Controle do Espaço Aéreo (SISCEAB).

“A reestruturação do processo de tratamento do planos de voo proporcionará uma melhora significativa no tocante ao aproveitamento dos recursos humanos e materiais, além de permitir a padronização dos procedimentos relativos ao trâmite das mensagens. Os usuários do SISCEAB serão beneficiados com uma maior padronização e confiabilidade na prestação do serviço” – afirmou o chefe do SDOP.

Para tanto, não foram poupados esforços na viabilização da centralização do Plano de Voo. No trabalho em equipe junto à CISCEA, o Sistema Integrado de Gestão de Movimentos Aéreos (SIGMA) passou por diversos incrementos técnicos, atribuindo um endereçamento único à intenção de plano de voo, permitindo que esta seja analisada semântica e sintaticamente, sem desvios operacionais.

Todo esse transcurso rumo à centralização foi planejado em etapas, conforme o Programa de Implementação da Centralização de Planos de Voo, com o objetivo macro de proporcionar interoperabilidade entre o SIGMA e o Sistema Avançado de Gerenciamento de Informações de Tráfego Aéreo e Relatórios de Interesse Operacional (SAGITARIO), permitindo que as bases de dados de ambos estejam compativelmente atualizadas, sem discrepâncias.

Hoje, 17 de maio, entra em operação o C-AIS CGNA, com a assunção de 50% da demanda de intenção de voo da Sala AIS do aeroporto de Confins (MG).

Gradativamente, o C-AIS CGNA assumirá todo o movimento de Confins, assim como a demanda de mais três C-AIS – de Brasília, Curitiba e São Paulo -, tornando-se o responsável pelo processamento de cerca de 33% das mensagens ATS (Serviço de Tráfego Aéreo) do Brasil.

Segundo o comandante de CGNA, Coronel Aviador Marcelo Jorge Pessoa Cavalcante, com o processo de centralização, a atividade AIS passará por substanciais transformações, com a efetiva utilização de sistemas automatizados, sincronizados entre si, propiciando uma considerável redução da intervenção humana na sistemática do tratamento de plano de voo.

“Para tanto, o Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea tem investido maciçamente na capacitação de seus profissionais, levando em consideração o nível de complexidade das áreas de jurisdição que serão absorvidas pelo C-AIS CGNA” – declarou o Coronel Marcelo.

O plano de gerenciamento do projeto prevê que, em janeiro de 2024, todo esse processo esteja finalizado, passando para uma configuração operacional composta por mais três Centros de Informação Aeronáutica: C-AIS RJ (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária – Infraero), C-AIS RE (Terceiro Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo – CINDACTA III) e C-AIS CGNA.

O CGNA é a organização militar responsável pelo gerenciamento de planos de voo, com o devido suporte dos C-AIS. Assim, implantou o Programa de Capacitação Padronizado para profissionais AIS, por meio de treinamentos de operadores e de supervisores, incluindo,  atividades relacionadas à modernização do SIGMA.

 O objetivo, além da qualificação, é a integral adequação dos profissionais AIS quanto ao desenvolvimento e a evolução da forma pela qual a informação aeronáutica vem sendo trabalhada em prol do eficiente gerenciamento de fluxo do tráfego aéreo.

Certamente, ainda há muito trabalho a ser realizado no tocante à capacitação de dos operadores AIS, o qual será viabilizado pelo esforço e compromisso empenhados pelo CGNA, pelo DECEA e pelas organizações regionais envolvidas no processo, de modo a garantir a excelência do gerenciamento da informação aeronáutica e do tratamento das mensagens ATS.

Certamente, ainda há muito trabalho a ser realizado no tocante às evoluções futuras que serão  viabilizadas por esforço e compromisso do DECEA para garantir a excelência do gerenciamento da informação aeronáutica e do tratamento das mensagens ATS.

 

Via: DECEA