China Boeing 737 MAX
Mais de 800 voos de teste do novo software 737 MAX foram realizados. Foto: Boeing

(Reuters)– A China deverá avançar em breve com seu processo de certificação para autorizar novamente a operação com o Boeing 737 MAX. O órgão que regula a aviação no país, a CAAC disse que antes de realizar os voos de teste, as preocupações com as mudanças nos sistemas da aeronave seriam feitas “adequadamente”. 

A medida que as mudanças sejam feitas, a Administração de Aviação Civil da China realizou uma vistoria técnica e aprofundada no Boeing 737 MAX. A CAAC tem tido contato frequente com a Boeing para planejar a volta do modelo aos céus da China.

Um dos chefes da CAAC, bem avaliou a cooperação entre a Boeing e a FAA para solucionar todos os problemas do 737 MAX. A China foi um dos primeiros países a suspender as operações com o modelo antes mesmo da diretriz em março de 2019.

“Faremos testes de voo de maneira planejada e passo a passo assim que nossas principais preocupações de segurança forem devidamente tratadas”, disse Dong Zhiyi. 

Com base em três exigências, a CAAC informou que era preciso avaliar as alterações no projeto da aeronave, incluindo os sistemas. Todos os pilotos passarão por treinamento aprofundado e adequado e informações detalhas sobre os acidentes.

A China é um dos maiores mercados do 737 MAX, por medida de prevenção e segurança quase que de imediato ao acidente da Ethiopian o país suspendeu as operações com o modelo americano. Há alguns dias a Austrália se juntou aos países que autorizaram a retomada dos voos com o Boeing 737 MAX.