Aeroflot Rússia

Confirmando que seguirá as sanções ocidentais contra a Rússia, a China determinou que seu vizinho não poderá voar com aviões Airbus e Boeing ao país asiático, e que estejam registradas com matrículas da Rússia.

Nos últimos dias as companhias aéreas russas, com aval da autoridade de aviação do país, ignoraram os acordos internacionais e criaram matrículas russas para quase 500 aviões que operavam em regime de leasing, e estavam registrados no exterior.

A China tomou tal decisão, de proibir essas aeronaves, por não reconhecer as matrículas russas, bem como o registro de Aeronavegabilidade emitido pelos russos. Desta forma, os asiáticos parecem inclinados a cumprir os acordos internacionais estabelecidos pela IATA e ICAO, instituições que regem mundialmente a aviação.

As empresas Aviastar Tu e iFly já começaram a cancelar os seus voos para a China, cumprindo a determinação dos chineses. Em uma consulta realizada pelo Portal AEROFLAP, algumas outras companhias aéreas russas também já começaram a cancelar voos para a China.

Uma das fontes do RBC explicou que a proibição foi realizadas por, em maio, as autoridades aeronáuticas chinesas pedirem a todas as companhias aéreas, não apenas as russas, que atualizassem os dossiês eletrônicos (carteiras; informações sobre aeronaves, proprietários de companhias aéreas, contratos de assistência em terra). A solicitação dessas carteiras é um procedimento padrão, ressalta a fonte.

As transportadoras russas que voam para a China atualizaram as informações. Mas as autoridades chinesas solicitaram a confirmação de que as aeronaves importadas das empresas russas foram oficialmente canceladas no exterior.

As companhias aéreas da Rússia não puderam fornecer tais documentos. Portanto, as autoridades de aviação chinesas, observando a legislação internacional de aviação, se recusaram receber voos com tais aeronaves.

Com mais essa proibição para as aéreas russas, a única opção restante é cumprir voos para a China com aviões fabricados no próprio país. Um processo de aceleração do desenvolvimento do MC-21 já está a caminho, e os russos também trabalham para restaurar aviões Ilyushin IL-86 e IL-96 para voltarem a operar voos.