No dia 6 de agosto de 2021, o CINDACTA IV promove a ampliação da prestação do Serviço de Informação de Voo para toda a FIR-AZ. Os setores ao norte da região de Manaus (AM) e Belém (PA) e a região norte de Porto Velho (RO) já se encontram operacionais desde agosto de 2020.

Dessa forma, apesar das adversidades no cenário da aviação, em função da pandemia por COVID-19, o Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro (SISCEAB) reafirma seu compromisso em progredir na prestação do serviço seguro e eficiente para a comunidade aeronáutica.

Para o espaço aéreo não controlado (Classe G) são permitidos voos IFR (Instrument Flight Rules – Voo por Instrumentos) e VFR (Visual Flight Rules – Voo Visual), recebendo somente serviço de informação de voo, sempre que factível.

Dentre as principais informações prestadas pelo FIS, destacam-se as condições operacionais dos aeródromos e auxílios à navegação, as condições meteorológicas e as informações que contribuem para a segurança da navegação aérea.

No passado, em virtude de uma série de fatores, a prestação do FIS ficou degradada para algumas regiões e passou a ocorrer somente para as aeronaves voando sob regras IFR ou em emergência. Por essa razão, em 2019, foi iniciado o planejamento para ampliar a prestação do FIS de forma gradual e contínua, sem alterar o cenário operacional das Regiões de Informação de Voo (FIR).

Essa ampliação visa o restabelecimento do acesso de usuários do SISCEAB à provisão do FIS, notadamente àqueles voos sob as regras VFR em espaços aéreos classe G, de modo a possibilitar a esses voos os benefícios advindos da prestação de tal serviço.

Até o dia 5 de agosto de 2021, o serviço FIS era prestado nos setores 3, 4, 9, 10, 11 e 12 da FIR amazônica, porém a partir do dia 6 de agosto o serviço de informação de voo passará a ser prestado integralmente nas regiões de informação de voo de Recife (FIR-RE) e amazônica (FIR-AZ).

O Primeiro Tenente Especialista em Comunicações Arthur Fernandes Silva, gerente do projeto e membro da Seção de Planejamento de Comunicações, Navegação, Vigilância e Inspeção em Voo (DPLN2), destacou o empenho dos militares envolvidos no CINDACTA IV, cuja contribuição é essencial para o progresso do empreendimento de ampliação da prestação do serviço FIS no Brasil.

“Esse é mais um importante passo na continuidade e ampliação da prestação do serviço de informação de voo no Brasil. A prestação do serviço FIS de forma integral nas regiões de informação de voo Amazônica e de Recife é a reafirmação do compromisso do COMAER com a comunidade aeronáutica brasileira”, ressalta o chefe do SDOP do DECEA, Brigadeiro do Ar Eduardo Miguel Soares.

DEIXE UMA RESPOSTA