CMV-22B pousando no USS Carl Vinson. Foto: US Navy.

As aeronaves de transporte CMV-22B Osprey da Marinha dos EUA atingiram sua Capacidade Inicial Operacional (IOC). O marco confirma a prontidão operacional da plataforma após a conclusão bem-sucedida de sua viagem inaugural, em 18 de fevereiro. 

A IOC do Osprey na Marinha dos EUA foi formalmente declarada em 14 de dezembro de 2021, alinhando-se com o requisito programado para o primeiro trimestre do ano fiscal, afirma o Comando de Sistemas Aeronavais (NAVAIR). A Capacidade Operacional Plena (FOC) deve ser atingida em 2023. 

Aeronaves CMV-22B Osprey do esquadrão VRM-30 Titans. Foto: US Navy.

Em agosto de 2021, os CMV-22 foram embarcados no porta-aviões USS Carl Vinson (CVN-70) para a sua primeira navegação real. A oportunidade também marcou a primeira viagem do caça F-35C naval. As aeronaves foram operadas pelo Fleet Logistics Multi-Mission Squadron (VRM) 30, Esquadrão Titans, com sede na estação aeronaval de North Island. 

“A implantação inaugural do CMV-22 com a Carrier Air Wing 2 e a equipe do CVN 70 é um sucesso operacional, dando-me a confiança necessária para fazer a declaração [da IOC]”, disse o Contra-Almirante Andrew Loiselle, Diretor da Divisão de Guerra Aérera e do Gabinete do Chefe de Operações Navais.

“À medida que continuamos a fornecer as plataformas avançadas que comporão a Ala Aérea do Futuro, o CMV-22B fornece o suporte necessário e muito mais para transportar nossa força futura.”

CMV-22B Osprey do VRM-30 Titans durante operações noturnas a bordo do CVN-70. Foto: Mass Communication Specialist 3rd Class Tyler Wheaton/US Navy.

A designação marca um passo importante no projeto, desenvolvimento, aquisição e testes do CMV-22B e confirma sua relevância e prontidão para atender às necessidades da missão de Carrier Onboard Delivery (COD) da Marinha. A aeronave transporta pessoal, correio, suprimentos e carga de bases em terra para porta-aviões no mar e, eventualmente, substituirá o C-2A Greyhound.

“O IOC é mais do que um selo de aprovação. É um voto de confiança da alta liderança da Marinha que o projeto, teste e produção desta aeronave atendem às necessidades logísticas das alas aéreas do porta-aviões designadas para voar o CMV-22B”, afirma o Coronel do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA Brian Taylor, gerente de programa conjunto do V-22. 

Em sua primeira missão, os CMV-22 da Marinha tiveram uma taxa de conclusão de missão de 98% e uma taxa de capacidade de missão de 75%. O Osprey é um elemento crucial de futuras alas aéreas de porta-aviões devido à capacidade de carga necessária para transportar motores do F-35 e suporte logístico adicional para futuras implantações das alas com aeronaves de próxima geração.

“Esta aeronave foi do primeiro voo à primeira implantação em 19 meses; um feito possível através da dedicação das comunidades de aquisição, engenharia, teste e operação da Marinha, bem como da indústria, todos trabalhando em conjunto, em direção a um objetivo comum”, disse Taylor.

O CMV-22 tem 50% mais combustível interno que o MV-22 Osprey dos Fuzileiros Navais. A aeronave pode transportar até 6.000 libras (2721 Kg) de carga e pessoal com um alcance de 2129 Km. A Marinha redesenhou os tanques de combustível dianteiros e adicionou mais dois tanques nas asas para aumentar a capacidade e estender o alcance do modelo. 

“À medida que nossas aeronaves de caça/ataque e vigilância se expandem em capacidade e tamanho para estender o alcance da ala aérea do porta-aviões, também devemos evoluir nossas aeronaves de apoio. O CMV-22B transportará carga e pessoal para equipar os mais avançados grupos de ataque de porta-aviões à medida que continuamos a atender às necessidades de nossas missões em todo o mundo”, disse Taylor.  

O programa continuará a refinar e testar as capacidades da aeronave, atendendo às necessidades ágeis da frota. Até o momento, a Bell Boeing entregou 14 aeronaves de 44 já adquiridas.