A GOL Linhas Aéreas anunciou hoje (09/05) o resultado consolidado do primeiro trimestre de 2018 (1T18).

Abaixo está um resumo das informações financeiras da companhia no período. Como destaque está o bom lucro operacional e líquido, e a redução das despesas que equilibrou a alta do combustível. Caso você queira ver todos os detalhes, Clique Aqui, e será direcionado para o relatório da companhia para os investidores.

Todas as informações são apresentadas em IFRS, em Reais (R$) e as comparações referem-se ao primeiro trimestre de 2017 (1T17), exceto quando especificado de outra forma.

 

Mercado Doméstico

No 1T18, a capacidade da GOL no mercado doméstico aumentou 0,8% em comparação ao 1T17. A demanda aumentou em 2,2% no 1T18 e a taxa de ocupação chegou a 80,7% com aumento de 1,1 p.p. em comparação ao 1T17.

A GOL transportou 7,7 milhões de passageiros no trimestre, um crescimento de 0,9% quando comparado com o mesmo período de 2017.

 

Mercado Internacional

A oferta internacional da GOL teve aumento de 23,5% no trimestre em comparação ao 1T17. A demanda internacional aumentou em 22,8% no 1T18 em relação ao 1T17.

A taxa de ocupação internacional da Companhia no 1T18 foi de 78,9%, redução de 0,5 p.p em comparação ao 1T17.

Durante o trimestre, a GOL transportou 0,6 milhão de passageiros no mercado internacional, aumento de 16,4% em comparação ao primeiro trimestre de 2017.

 

Frota

Ao final do 1T18, a frota total GOL era de 118 aeronaves Boeing 737-NG com 117 aeronaves em operação e uma aeronave subarrendada para outra companhia aérea. Ao final de março de 2017, do total da frota de 124 aeronaves Boeing 737 NG, a GOL operava em suas rotas 116 aeronaves.

Das oito aeronaves remanescentes, quatro estavam em processo de devolução junto aos seus lessores e quatro foram subarrendadas para outras companhias aéreas.

 

Receita Líquida

A receita líquida do 1T18 foi R$3,0 bilhões, crescimento de 14,4%, quando comparada ao 1T17, com aumento dos RPKs em 4,5% para 9,989 bilhões no 1T18. A receita internacional totalizou R$602,8 milhões, (20,3% da receita líquida total do trimestre), comparada aos R$449,1 milhões no mesmo período de 2017.

As receitas com transporte de cargas, do programa de fidelidade de Smiles e outros, representaram R$165,4 milhões no 1T18, aumento de 1,6% em comparação ao 1T17, devido principalmente ao aumento da receita do programa Smiles em 7,5%, e de transporte de cargas em 16,6% na comparação com igual período no ano passado.

A taxa de ocupação da GOL aumentou 0,8 p.p., atingindo 80,4% no trimestre, uma vez que o crescimento da demanda superou o aumento em ASKs. A tarifa média aumentou 13,1%, de R$296 para R$335, impulsionando o aumento do yield em 10,3%.

 

Despesas operacionais

O CASK total foi superior em 1,9% na comparação trimestral, e passou de 19,44 centavos (R$) para 19,80 centavos (R$), principalmente devido ao aumento no preço por litro de combustível em 16,5% e ao aumento no custo de pessoal por ASK em 13,1%.

O CASK sem contabilizar o combustível reduziu 4,8%, quando comparados a igual trimestre no ano passado, suportado por melhor produtividade da frota, redução no custo de arrendamento derivada de renegociações de contratos, compra de produtos e passagens de empresas parceiras, para resgate pelo programa de fidelidade Smiles, e ganhos com venda de aeronaves, parcialmente compensado por um aumento no custo de pessoal, e pela maior depreciação decorrente da manutenção capitalizada em componentes principais das aeronaves (incluindo motores).

Excluindo R$81,9 milhões de ganhos em vendas de aeronaves no 1T18, o CASK ex-combustível aumentou 0,2% para 13,35 centavos (R$).

 

Resultado operacional

O lucro operacional (EBIT) registrado no primeiro trimestre foi de R$504,3 milhões, crescimento de 97,4% em comparação ao mesmo período de 2017. A margem operacional do 1T18 foi 17,0%, aumento de 7,1 p.p. em relação ao 1T17. Em uma base por assento-quilômetro disponível, o EBIT foi de 4,06 centavos (R$) no 1T18, em comparação aos 2,12 centavos (R$) do 1T17 (um aumento de 91,1%).

O EBITDA do 1T18 totalizou R$654,9 milhões no período, aumento de 80,9% em relação ao 1T17. O impacto do aumento de 2,30 centavos (R$) no RASK e aumento de 0,04 centavo (R$) no CASK ex-depreciação resultou em EBITDA por assento-quilômetro disponível de 5,27 centavos (R$) no 1T18, uma melhoria de 2,26 centavos (R$) comparativamente ao 1T17.

O EBITDAR do 1T18 totalizou R$890,3 milhões no período, aumento de 47,5% em relação ao 1T17. Em uma base por assento-quilômetro disponível, o EBITDAR foi de 7,17 centavos (R$) no 1T18, em comparação aos 5,02 centavos (R$) do 1T17 (aumento de 42,7%).

 

Lucro Líquido

No 1T18 a Companhia apurou lucro líquido depois da participação minoritária de R$147,5 milhões, (representando margem líquida de 5,0%), frente ao lucro líquido de R$162,6 milhões durante o 1T17.

O resultado do 1T18 foi impactado por: (i) variação cambial negativa de R$19,5 milhões em relação à variação cambial positiva do 1T17 de R$143,7 milhões e (ii) despesas relacionadas com a emissão adicional dos Senior Notes 2025 (re-tap offering), assim como pagamentos referentes à aquisição parcial das Senior Notes com vencimento em 2020 (Tender Offer) e resgates das Senior Notes com vencimento em 2018, 2020, 2021 e 2028.

A comparação com o mesmo período do ano anterior foi impactada negativamente pelo efeito do imposto de renda, que resultou em um encargo de R$65,6 milhões no 1T18 versus um benefício de R$79,1 milhões no 1T17.

O lucro por ação foi de R$0,42 no 1T18 versus R$0,47 no primeiro trimestre de 2017. O número de ações utilizadas para cálculo foi de 348.378.641 no 1T18 e de 347.242.172 para o 1T17, utilizando a razão de 35 ações ordinárias por ação preferencial.

O lucro por ADS foi de US$0,26 no 1T18, comparado com US$0,30 no primeiro trimestre de 2017.

A média ponderada de ADSs foi de 174,2 milhões no 1T18 e de 173,6 milhões no 1T17, de acordo com a relação atual do número de ações preferenciais por ADS (2:1), efetuada em novembro/17.