Boeing 737 MAX 10
Foto: Boeing

A Boeing divulgou nesta quarta-feira (28/07) os seus dados financeiros relativos ao 2º trimestre deste ano, apresentando um bom lucro líquido de US$ 755 milhões, o primeiro após quase 24 meses trabalhando no prejuízo.

No mesmo período de 2020 a Boeing teve um prejuízo líquido de US$ 3,32 bilhões. Os analistas do setor esperavam um prejuízo trimestral de US$ 454,8 milhões, no entanto a Boeing voltou a entregar muitos aviões em maio e junho, o que resultou em alta de 44% na receita, de US$ 17 bilhões no 2º trimestre de 2021.

A divisão de aviões comerciais da Boeing, responsável na maioria das vezes pelo lucro, teve um prejuízo trimestral de US$ 472 milhões, mas a divisão de defesa teve um lucro de  faturou US$ 958 milhões juntamente com a divisão de serviços, com US$ 531 milhões.

Apesar do prejuízo na divisão comercial, as entregas dos aviões comerciais de abril a junho ajudaram a diminuir o impacto no resultado geral da Boeing, resultando no lucro. 

 

Funcionários e entregas

A Boeing disse que entregou mais de 130 aviões da família 737 MAX, desde que a proibição de voos foi suspensa em novembro de 2020.

A média de produção atualmente é de 16 aviões por mês, visto que a Boeing ainda está diminuindo aos poucos o seu estoque acumulado desde 2019, quando a proibição foi implementada em todo o mundo. O objetivo é aumentar a produção para 31 por mês no início de 2022.

A Boeing também suspendeu uma demissão de 10000 funcionários, que deveria realizar ainda neste ano. A empresa trabalhará com 140000 pessoas por enquanto, sem expansões ou demissões.

DEIXE UMA RESPOSTA