Após mais de 800 horas voadas em treinamento desde o último dia 18, encerrou-se, nesta terça-feira (03/12), o Exercício Operacional (EXOP) Tinia. Nele, reuniram-se em torno de 600 militares da Força Aérea Brasileira (FAB) de todo o país e mais de 50 aeronaves das Aviações de Caça, Transporte, Asas Rotativas e Reconhecimento para treinar em um cenário simulado de guerra convencional – ou seja, quando há um conflito entre Forças Armadas de dois países ou alianças de nações.

O treinamento aconteceu simultaneamente nas Alas 3, em Canoas (RS), e 4, em Santa Maria (RS).

Segundo o Comandante da Ala 3 e Diretor do Exercício, Brigadeiro do Ar Raimundo Nogueira Lopes Neto, a avaliação da atividade foi positiva pelo aumento da complexidade do treinamento aliado às boas estatísticas de segurança de voo.

“É uma satisfação chegar ao fim desse Exercício, o de maior envergadura realizado nesse ano pelo Comando de Preparo [COMPREP], e sabermos com precisão os objetivos atingidos com o treinamento. O melhor resultado, sem dúvidas, foi o de nenhum acidente. Sabíamos que seria um desafio percorrer 16 dias de atividades intensas sem acidentes, e chegamos lá, conseguimos”, afirma o Oficial-General.

Foram praticadas as ações de Escolta, Reconhecimento Aéreo, Controle e Alarme em Voo, Ataque, Varredura, Reabastecimento em Voo, Posto de Comunicação no Ar, Defesa Aérea, Autodefesa Antiaérea, Transporte Aéreo Logístico, Assalto Aeroterrestre e Busca e Salvamento em Combate, dentre outras.

Entre as aeronaves empregadas estão os caças F-5M, A-1 e A-29; a aeronave-radar E-99; as aeronaves de reconhecimento R-99, R-35AM e R-35A; as aeronaves de transporte C-130 Hércules e C-105 Amazonas; e o helicóptero H-60L. Além dos Esquadrões Aéreos, o Primeiro Grupo de Comunicações e Controle (1º GCC) e os Grupos de Defesa Antiaérea (GDAAE) também participaram do exercício.

 

Resultados


O Comandante de Preparo (COMPREP), Tenente-Brigadeiro do Ar Antonio Carlos Egito do Amaral, esteve nas sedes do EXOP e disse estar satisfeito com os resultados obtidos no EXOP Tinia.

“O Poder Aeroespacial é empregado com os meios aéreos contra um determinado oponente, em cenário específico. Todos os meios têm que estar em sinergia. Por isso, o EXOP Tinia traz essa característica, são diversos meios de Força Aérea, não apenas aeronaves, pois temos a Infantaria e a Defesa Antiaérea trabalhando junto, treinando com os pilotos, aprendendo a combater, e todos com o mesmo objetivo: estar preparado para empregar o Poder Aeroespacial para combater e vencer em qualquer cenário”, avalia o Tenente-Brigadeiro Egito.

Ele ainda destacou que o exercício, nos moldes como foi realizado, é resultado do processo de adequação dos Exercícios Operacionais da FAB, em sintonia com o perfil comumente encontrado no cenário internacional.

“O EXOP Tinia, na verdade, coroa todo o treinamento do COMPREP, um trabalho que é desenvolvido ao longo do ano. Essa nova forma de fazer EXOP nos deu maior capacidade para desenvolver as competências que todos os combatentes precisam ter. Estamos evoluindo muito por estarmos atualizando documentos e registrando tudo o que é realizado a cada Exercício. Essa base está nos permitindo criar treinamentos cada vez mais complexos”, acrescentou.

 

Via – Força Aérea Brasileira