Foto - REUTERS/Lindsey Wasson

(Reuters) – A Boeing informou nesta última terça-feira (20/08) que planeja adicionar mais funcionários e contratar “algumas centenas” de funcionários temporários em um aeroporto no estado de Washington, onde está armazenando muitos aviões 737 MAX, um passo fundamental para seu plano de retomar as entregas aos clientes das companhias aéreas em outubro.

A maior fabricante de aeronaves do mundo disse que os trabalhadores ajudarão na manutenção de aeronaves, e preparações para entrega ao cliente no Aeroporto Internacional de Grant County.

Os planos de contratação são os primeiros passos publicamente detalhados que a Boeing tomará, enquanto trabalha para entregar centenas de jatos 737 MAX para companhias aéreas de todo o mundo, uma missão que será uma das maiores operações logísticas da aviação civil moderna.

A Boeing, sediada em Chicago, congelou a entrega de aviões do modelo 737 MAX desde março de 2019, quando agência reguladoras de segurança da aviação suspenderam os voos comerciais com o 737 MAX, devido à dois acidentes semelhantes que levaram ao falecimento de 346 pessoas.

As companhias aéreas globais tiveram que cancelar milhares de voos e usar aeronaves sobressalentes para cobrir rotas que antes eram realizadas pelo MAX.

A Boeing reiterou na terça-feira que estava trabalhando para fazer o 737 MAX realizar voos comerciais no “quarto trimestre”, após uma atualização de software que deverá ser certificada em setembro ou outubro pela FAA e mais 9 agências reguladoras.

O custo total até agora da crise do 737 MAX é de mais de US$ 8 bilhões, principalmente devido à compensação que a empresa deverá pagar às companhias aéreas pelas entregas atrasadas e menor produção.