Boeing 787
Foto - Boeing/Divulgação

A Boeing anunciou hoje (13/07) os seus dados de entregas de aeronaves no segundo trimestre de 2021, contabilizando também a retomada das entregas de toda a sua linha de aeronaves.

A Boeing disse que aumentou o ritmo das entregas no 2º trimestre, e conseguiu finalizar o período de três meses com 79 novos aviões para os seus clientes. Desses, 50 são da família 737 NG/MAX, e mais 12 são da família 787.

Por comparação, a principal concorrente da Boeing, a europeia Airbus, entregou 77 aviões somente em junho, e acumulou mais de 160 entregas só no 2º trimestre de 2021.

“Continuamos o trabalho para cumprir nossos compromissos com nossos clientes comerciais, de defesa, espaço e serviços, ao mesmo tempo em que posicionamos nossos negócios para uma recuperação estável e forte da pandemia. No segundo trimestre, avançamos no retorno seguro do 737 MAX em mais mercados internacionais e aumentando o ritmo de entregas desta família de aviões”, disse a Boeing.

Veja um resumo das entregas na tabela abaixo:

 

2º trimestre de 2021

 

Acumulado do ano

         

Entregas de cada família de aviões

       

737

50

     

113

 

747

1

     

2

 

767

8

     

13

 

777

8

     

14

 

787

12

     

14

 

Total

79

     

156

 
         

Defense, Space & Security Programs

       

   AH-64 Apache (Novo)

6

     

15

 

   AH-64 Apache (Remanufaturado)

16

     

31

 

   CH-47 Chinook (Novo)

3

     

6

 

   CH-47 Chinook (Renovado)

1

     

4

 

   F-15

5

     

8

 

   F/A-18

7

     

11

 

   KC-46 Tanker

2

     

4

 

   P-8

3

     

6

 
 

     

 
 

     

 

 

 

Ritmo de fabricação do Boeing 787

Após enfrentar no 1º semestre de 2021 alguns problemas para retomar a produção do 787, a Boeing detalhou hoje como está planejando aumentar a taxa de produção do seu widebody.

A empresa tem se envolvido em discussões detalhadas com a FAA sobre a metodologia de verificação para fuselagens do 787, e a realização de inspeções e retrabalho associados. 

Em conexão com esses esforços, a empresa identificou um retrabalho adicional que será necessário em alguns aviões do modelo 787 não entregues. Com base em uma avaliação da Boeing do tempo necessário para concluir este trabalho, a Boeing está redefinindo a prioridade dos recursos de produção por algumas semanas para dar suporte à inspeção e retrabalho.

Boeing 787
Foto – Boeing/Divulgação

À medida que esse trabalho for executado, a taxa de produção do 787 ficará temporariamente menor do que cinco aviões por mês e retornará gradualmente a essa taxa. A Boeing agora espera entregar menos da metade dos 787 atualmente em estoque neste ano, são mais de 100 aviões parados nas unidades de produção da fabricante nos EUA.

“Continuaremos a dedicar o tempo necessário para garantir que os aviões da Boeing atendam à mais alta qualidade antes da entrega. Em toda a empresa, nossas equipes permanecem focadas na segurança e integridade à medida que buscamos estabilidade, qualidade inicial e produtividade em nossas operações”, empresa adicionada.

DEIXE UMA RESPOSTA