Após mais de um ano realizando testes em solo, o Comac C919, conhecido também como o maior avião comercial chinês produzido até o momento, realizou com sucesso seu primeiro voo hoje (05/05). A aeronave decolou de Xangai, no leste da China, e completou um voo que durou aproximadamente 80 minutos, o pouso foi realizado no mesmo aeroporto de partida.

O clima não estava tão favorável para a aeronave nomeada de B-001A, o primeiro protótipo de testes do C919. O voo foi comandado pela equipe composta pelo piloto de voo Cai Jun, o co-piloto Wuxi e mais um observador de voo Qian Jun. Na cabine de passageiros dois engenheiros acompanharam os dados da aeronave são eles Zhang Da Wei e o Ma Fei. O piloto não retraiu o trem de pouso durante todos os 80 minutos de voo, para evitar erros do sistema hidráulico.

Foto – Xinhua/Reprodução

A Comac informou que a equipe de testes foi responsável por checar 15 parâmetros durante o voo, entre eles o sistema de controle de voo, que deveria mostrar uma boa resposta aos comandos da aeronave, além da verificação da funcionalidade de vários sistemas e a verificação da precisão dos equipamentos de testes instalados no C919. 

O Governo Chinês realizou uma transmissão ao vivo via televisão e também convidou 2000 pessoas para assistir o momento do primeiro voo do C919, que foi realizado no Aeroporto de Shanghai.

O presidente da China acabou dando uma lição aos países que estão em desenvolvimento ao redor do mundo ao falar: “Costumávamos acreditar que era melhor comprar do que construir, melhor alugar do que comprar. Precisamos gastar mais em pesquisar e fabricar nossos próprios aviões.”

Foto – COMAC/Reprodução

Agora a Comac segue para cumprir 4200 horas de testes em voo, a fabricante chinesa fará cerca de 2 aeronaves por ano até 2019, todas para alimentar o programa de testes que deverá demorar mais 3 anos. A produção em série será iniciada somente em 2020, por enquanto a Comac busca incrementar a sua capacidade de produção para evitar erros e atrasos no futuro. O primeiro voo comercial da aeronave deverá ser em 2020 com a China Eastern Airlines.

De acordo com a Comac, mais de 200 empresas chinesas e 36 universidades estiveram envolvidas na pesquisa e desenvolvimento do avião. Outras empresas estrangeiras como a Honeywell e a CFM também desenvolveram itens de extrema importância para um avião, a Honeywell ficou responsável pela parte de aviônicos, enquanto a CFM desenvolveu uma versão exclusiva do motor LEAP pra uso no C919, o LEAP-1C (como podemos perceber o motor CFM ganhou as “bochechas” presentes no Boeing 737 MAX).

Foto – COMAC/Reprodução

A empresa tinha planejado que o C919 começasse a voar em 2014, e que as primeiras encomendas fossem entregues em 2016, mas foi sucessivamente adiando devido a problemas de fabricação da aeronave. O extenso período de testes em solo, já citado acima, foi causado por diversas modificações que o C919 recebeu para então conseguir realizar seu primeiro voo.

A aeronave foi oficialmente apresentada no final de 2015, com expectativa de realizar o primeiro voo ainda nos meses iniciais de 2016.

Alguns veículos de imprensa americanos não demonstraram satisfação ao ver o novo jato chinês voando, o jornal New York Times citou em uma postagem

“A China aprendeu muito nos últimos anos sobre como construir aviões de corredor único fazendo muitas peças para Boeing 737 e montando aviões A320 inteiros para a Airbus. Mas o sonho do país de se tornar um concorrente no mercado global de aviões comerciais começou em 1972, quando o presidente Nixon visitou a China em um Boeing 707. As autoridades chinesas adoraram o avião e mais tarde compraram 10 Boeing 707, bem como 40 motores Pratt & Whitney. A China, em certa medida, copiou as fuselagens do 707 para uma pequena produção de aviões experimentais denominados Y-10 usando os motores adicionais.”

A Boeing e a Airbus parabenizaram o primeiro voo do C919 através das suas redes sociais, e também a Comac pelo desenvolvimento do avião. Apesar das duas reconhecerem que o avião chinês apresenta uma nova concorrência para o mercado de aviões. Veja mais abaixo.

O COMAC C919 é bem semelhante com o A320 da Airbus, medindo 38,9m de comprimento, 35.8 metros de asa, altura de aproximadamente 12m e largura de cabine de 3,9 metros. No geral está disposto 3 versões para compra que alcança de 156 passageiros até 174 quando em configuração de 1 classe com alta densidade, o seu projeto tem participação de empresas americana e europeias para construir diversos sistemas da aeronave, outro passo para a ocidentalização do COMAC.

A aeronave tem uma autonomia de 4075 km. Uma versão de longo alcance pode voar até 5555 quilômetros. A fabricante espera produzir cerca de 2000 aviões e já recebeu mais de 570 encomendas provenientes de 23 clientes, a maioria companhias aéreas da China que ganharam incentivo para comprar o jato. O C919 concorre diretamente com o 737 MAX 7 e o Airbus A320neo em capacidade de passageiros.

A Comac espera vender 2000 aviões C919 nos próximos 20 anos, mas para atingir essa meta a Comac precisa conseguir mais clientes em mercados fora da China.

 

Veja o primeiro voo da aeronave no vídeo abaixo: