Como a janela do avião consegue ser resistente a tantos fatores?

É possível um avião voar a quase 900 km e a janela não se romper?

Sim é possível! Todas as janelas de uma aeronave são preparadas ainda na construção do avião para suportar grandes esforços, para evitar que se quebre durante o voo é produzido com material de acrílico capaz de suportar até 33% a mais de força exercida com a pressão de dentro para fora.

Apesar da produção em acrílico, as janelas de um Boeing 777 suportam uma força exercida de 2 toneladas, impossível de ser aplicada por um ser humano.

Toda essa resistência é possível devido às três camadas construídas separadas uma das outras, para quebrar a pressão interna da pressurização do avião, que é exercida durante todo o voo.

O formato influencia para evitar que ela forme trincas ou rachaduras durante uma subida ou decida, com as bordas arredondadas. A pressão flui livremente pela superfície e assim evita-se o acúmulo de pressão nos cantos.

Logicamente as fabricantes testam as janelas das aeronaves durante o processo de projeto da mesma, aferindo que a janela é capaz de suportar pancadas e com certeza a força do ar que pressuriza a aeronave.

Nos primórdios da aviação existiam janelas quadradas e com o tempo foram descobrindo que as pressões aplicadas, formavam pontos de tensão causando rachaduras nas janelas e até na própria fuselagem. Com o tempo os engenheiros concluíram que o formato arredondado seria o mais indicado e o mais resistente.


As baixas temperaturas não são problemas na garantia de resistência e durabilidade das janelas, considerando que o voo pode atingir em torno de -56.5°C, ao longo de percurso é provável que forme pequenas porções de gelos em uma das camadas de acrílico.

O pequeno furinho que fica logo na parte posterior, faz a função de respiro, permitindo que a pressão se mantenha equilibrada, fazendo a função como uma válvula reguladora. Além disso sua função é liberar a umidade dos espaços entre as camadas permitindo que a janela fique livre de névoa.

Mas com toda essa resistência, ainda pode acontecer de alguma janela sofrer danos, quando há fenômenos na natureza como chuva de granizo forte, colisões com pássaros, casos comuns nas janelas do cockpit que ficam de frete ao vento relativo.

No caso das janelas do cockpit, que podem sofrer fortes impactos, o material utilizado na produção das mesmas é vidro laminado, que não se estilhaça quando sofre um impacto.

 

Curiosidade: Porque devemos abrir as persianas durante pousos e decolagens?
Foto: Gabriel Melo

Essa ação não se trata apenas de ter que acordar o passageiro que passou horas em um voo para avisar que está próximo da sua chegada, essa solicitação da tripulação é uma medida de segurança.

O motivo é que todas as persianas sejam abertas para que a luz externa entre na aeronave, e em caso de algum acidente no pouso ou na decolagem, para uma evacuação de emergência, todos consigam enxergar a luz externa e a saída mais próxima. Essa solicitação é recomendada até para que o olho consiga se adaptar a mudança drástica de luz.

Além disso, auxilia os comissários a observar qualquer problema que aconteça na parte externa da aeronave. Passageiros já puderam observar problemas por exemplo nos motores ou algum problema nas asas e relatam a tripulação.

Em caso de problemas no pouso, os comissários podem identificar o melhor lado para utilizar as saídas de emergência, aliás, você não quer sair da aeronave e dar de cara com um motor em chamas.

 

Artigo: Ícaro Roberto

DEIXE UMA RESPOSTA