Foto - Divulgação

Um Boeing 737-800 da Qantas Airways, que fazia um voo internacional de curta distância entre Melbourne, na Austrália, e Wellington, na Nova Zelândia, foi forçado a desviar para uma base da Força Aérea Australiana no fim de semana devido a um “problema mecânico”.

O voo QF171, com partida diária às 09h10 de Melbourne foi desviado para a Base da Força Aérea de Ohakea, aproximadamente 140 quilômetros ao norte de Wellington, no sábado, 16 de novembro de 2019.

De acordo com o One News da Nova Zelândia, a aeronave estava em sua descida final em Wellington, quando subiu e voltou para o mar. Um passageiro informou que a aeronave mantinha baixa velocidade e altitude após desistir do pouso.

Segundo informações, a equipe da Qantas levou meia hora para relatar aos passageiros sobre o que estava acontecendo.

O piloto avisou aos passageiros que a aeronave estava desviando para Ohakea. Uma parte do flap do avião estava “presa”, e a pista de Wellington era muito curta para que eles pousassem com segurança.

Passageiros desembarcando em Ohakea.

O voo normalmente seria desviado para Palmerston North, mas o clima era inclemente. O QF171 pousou com segurança na Base da Força Aérea de Ohakea logo após as 15:00, horário local.

 

“Problemas no solo em Ohakea”


Esta é praticamente uma resposta automática dada pelos pilotos. Mas uma vez em terra, os problemas só estavam começando para os passageiros a bordo. Não há instalações alfandegárias ou de imigração em Ohakea e os passageiros passaram mais de três horas no avião enquanto funcionários da alfândega de Napier eram transportados de ônibus.

As condições no avião foram descritas como “sufocantes”. Os passageiros receberam bebidas e, embora se tenha dito que a tripulação fez um bom trabalho em circunstâncias difíceis.

O voo estava quase cheio e, inicialmente, a tripulação não abriu as portas para deixar o ar entrar, tornando as condições da cabine muito desconfortáveis. Ryan Newington, um passageiro, disse ao New Zealand’s Stuff que as pessoas estavam ficando visivelmente angustiadas e que fazia muito calor a bordo.

Quando a porta dianteira foi finalmente aberta, bebês e crianças foram movidos para a frente da aeronave. Houve queixas sobre a falta de comida a bordo. Para ser justo com a Qantas, estava programado para ser apenas um voo de três horas e meia.

O pessoal da alfândega chegou por volta das 19h00, horário local, momento em que os passageiros foram autorizados a desembarcar e foram colocados em instalações improvisadas de alfândega e imigração.

Terry Brown, gerente da Alfândega da Nova Zelândia, disse à Newshub;

“Precisávamos alinhar a equipe do escritório de Napier para que ela comparecesse, portanto, obviamente, há um lapso de tempo antes que pudéssemos chegar lá fisicamente. Precisávamos pré-ativar o processo do passageiro. Temos sistemas bastante avançados em torno dos passageiros que estão a bordo da aeronave, então fomos capazes de fazer isso.”

Aproximadamente às 20h45, os passageiros partiram para Wellington em um ônibus, chegando perto das 23h00, cerca de oito horas de atraso.

A Qantas pediu desculpas aos seus passageiros, mas diz que sempre colocará a segurança em primeiro lugar. A companhia aérea informou que entrará em contato com os passageiros e vai oferecer-lhes ‘pontos de passageiro frequente’ como compensação.