Foto - Divulgação/Boeing

Em meio a uma acirrada guerra comercial entre a China e os Estados Unidos, as companhias aéreas chinesas operadoras do Boeing 737 MAX aproveitaram para pedir formalmente à Boeing uma indenização, por manter seus aviões 737 MAX parados.

A China é o país com o maior número de aeronaves da família 737 MAX em atividade, são quase 100 aviões operados por três empresas, e todos estão impedidos de voar neste momento.

A Air China confirmou que pediu uma indenização à Boeing, que precisa ser paga rapidamente para compensar perdas com o aterramento de sua frota, incluindo a redução de oferta e aluguel de outras aeronaves.

Outras empresas fora da China, como a Turkish Airlines e a Flydubai também já procuraram a Boeing para negociar indenizações.

A Boeing disse que não comenta suas discussões com os clientes.

Nenhuma indicação foi dada até agora sobre quando o 737 MAX será liberado para realizar voos comerciais novamente, a FAA já formou um comitê com diversos países para certificar a atualização de software que permite voos seguros com a aeronave, a partir de alterações nos modos de pilotagem automática, apesar disso, a Boeing ainda não enviou a atualização para análise das autoridades de segurança.

 

Estatal chinesa suspende encomendas para 100 aviões Boeing 737 MAX