Confira as atualizações que o F-22 deverá receber para aumentar o “poder de fogo”

F-22 Raptors da USAF Foto- U.S. Air Force Tech Sgt. Carlin Leslie

A Força Aérea dos EUA e a Lockheed Martin estão agora armando o caça furtivo F-22 com mais tecnologia de ataque de precisão de longo alcance, um envelope de ataque aos alvos mais amplo, com mais armas diferentes disponíveis, e uma nova tecnologia de rede que permite “alvos colaborativos” aprimorados em tempo real entre aeronaves da USAF.

As novas armas não apenas aumentam a letalidade do F-22, mas também estão moldando as táticas futuras de combate da Força Aérea. À medida que a meta se move rapidamente para tentar sustentar a supremacia aérea no ambiente muito mais ameaçador de hoje, os desenvolvedores estão adicionando, refinando, testando e ajustando estratégias e táticas de ataques furtivos para melhor aproveitar as melhorias técnicas do F-22.

As duas novas armas, que estão em testes e desenvolvimento há vários anos, são variantes avançadas de armas existentes – o míssil ar-ar AIM-9X e o AIM 120-D. As variantes atualizadas de cada uma, agora incorporadas aos F-22 existentes, já foram lançadas em exercícios de combate. Os desenvolvedores da Lockheed dizem ao Warrior que 14 caças F-22 já estão adaptados para as novas variantes de mísseis, com previsão de lançamento para o próximo ano.

“Estamos lançando isso em toda a frota. Iniciamos as modificações e retrofit na Langley. Estamos fazendo isso no local nas bases [aéreas]”, disse OJ Sanchez, vice-presidente do F-22, Lockheed, ao Warrior.

Sanchez disse que os engenheiros da Lockheed estão incorporando o feedback dos pilotos do F-22 que pilotaram a aeronave com as melhorias em um exercício da Força Aérea chamado Red Flag. A margem de diferença experimentada durante o exercício já está levando os estrategistas da Força Aérea a ajustar as táticas do F-22 para acomodar a capacidade adicional das novas armas, e a nova capacidade de integração entre as diferentes aeronaves.

O novo AIM-9X conseguirá alcançar um alvo ainda mais longe e fornecendo também um envelope de mira muito maior para os pilotos. Trabalhando com uma variedade de capacetes e sistemas de exibição, os desenvolvedores da Lockheed e Raytheon adicionaram ao AIM-9X a capacidade de direcionamento “fora da mira”, permitindo aos pilotos atacar inimigos de uma ampla variedade de novos ângulos, até mesmo de alvos localizados atrás dos mesmos.

Os desenvolvedores de armas Raytheon AIM-9X disseram ao Warrior que a variante do Block 2 adiciona uma espoleta reprojetada e um dispositivo de segurança contra ignição digital que aprimora o manuseio em solo e a segurança em voo. O Block II também possui componentes eletrônicos atualizados que permitem aprimoramentos significativos, incluindo a capacidade de bloquear após o lançamento, usando um novo datalink.


A capacidade de ataque tecnológico adicional aumenta a distância de afastamento do alvo, e permite que a aeronave destrua alvos inimigos de posições menos vulneráveis.

 

Outra parte da atualização de armas inclui a engenharia do F-22 para disparar o AIM-120D, um míssil ar-ar avançado de médio alcance (AMRAAM) além do alcance visual, projetado para ataques dia e noite de qualquer clima; é um míssil “dispare e esqueça” com orientação ativa por radar de transmissão, afirma dados de Raytheon.

O AIM-120D é construído com atualizações dos mísseis AMRAAM anteriores, aumentando o alcance do ataque, incorporando uma melhoraria nas capacidades de navegação, seja por GPS, medição inercial ou link de dados bidirecional.

Lockheed Martin F-22 Raptor

Os desenvolvedores de armas da Lockheed dizem que o novo AIM-120D usa um radar aprimorado e é mais manobrável.

“O F-22 tem capacidade para transportar duas munições de precisão JDAM1000 internamente, enquanto ainda carrega uma carga letal de AIM-120D guiados por radar e mísseis ar-ar AIM-9X de tecnologia infravermelha”.

Além disso, o ensaio explica como as táticas do F-22 foram mais avançadas após a Guerra do Golfo.

“Uma adição tardia aos requisitos do F-22 surgiu das lições aprendidas na Guerra do Golfo. Depois de estabelecer a superioridade aérea, os F-15Cs não puderam realizar missões ar-terra e foram relegados a realizar missões de defesa aérea contra uma ameaça inexistente”, afirma o ensaio.

À medida que a Força Aérea e a Lockheed Martin avançam com expansões e aprimoramentos de envelopes de armas para o F-22, é claro que há uma necessidade proporcional de atualizar o software e seus sensores de bordo para se ajustar às ameaças futuras emergentes, explicaram os desenvolvedores do setor. Por fim, esse esforço levará a Força Aérea a elaborar requisitos para novos sensores F-22.

A letalidade do F-22 também está melhorando bastante com a integração da nova conectividade de link de dados bidirecional, chamada de LINK 16, entre as aeronaves, algo que ajudará a acelerar o “direcionamento colaborativo” em tempo real no ar. Até recentemente, o F-22 conseguiu receber, mas não compartilhar, dados através do LINK 16.

Ter uma capacidade digital (e criptografada) de transmitir informações de alvos relevantes a partir de um cockpit do F-22, sem precisar de rádios de voz, diminui o risco de acesso de “hackers” às informações de missão, e torna o exercício menos vulnerável ao interesse externo dos militares de países inimigos.

Os passos técnicos que serão implementados também estão ajudando a conectar os caças F-22 e os F-35 durante uma situação de guerra, algo que permite ainda mais ao plano do Pentágono unir as duas aeronaves furtivas de maneira complementar; o F-35 foi projetado especificamente para apoiar o F-22 em combate. De fato, o F-35 e o F-22 já realizaram operações juntos na região do CENTCOM.

“Ao compartilhar informações do espaço de batalha, o sistema de conectividade de sistemas F-22 e F-35 melhora muito a cadeia de mortes”, explicou Sanchez.

Os F-22 mais novos têm uma tecnologia chamada Radar de Abertura Sintética, ou SAR, que usa sinais eletromagnéticos ou “pings” para fornecer uma imagem ou renderização do terreno abaixo, permitindo uma melhor identificação do alvo. A tecnologia SAR envia um ping ao solo e analisa o sinal de retorno para calcular o relevo, a distância e as características do solo abaixo.

Juntamente com sua tecnologia Supercruise, o avião de caça dispara um canhão de 20 mm e tem a capacidade de transportar e disparar todas as armas ar-ar e ar-solo, incluindo bombas terrestres guiadas com precisão, como Munições de Ataque Direto Conjunto, chamadas GBU 32 e GBU 39. Ele também usa o que é chamado de receptor de aviso de radar – uma tecnologia com um banco de dados atualizável chamado “arquivos de dados de missão” projetados para reconhecer uma ampla gama de caças inimigos, o mesmo sistema equipa o F-35.

Aliás, o F-22 e F-35, ao nível de hardware e software, devem ser compatíveis, se eles compartilhar informações de amplo uso em situação real. Ou seja, se o F-22 é capaz de identificar 80 alvos ao mesmo tempo em terra e no ar, o F-35 deve ter uma capacidade semelhante, inclusive de “linkar” os alvos de ataque desejados pelo piloto.

A USAF está unicamente preparando os dois modelos de aeronaves para trabalharem juntas no futuro, visto que uma possível guerra envolverá muita tecnologia e eletrônica, esse é o motivo da USAF e US Navy escolherem a padronização de equipamentos para o futuro.

 

Via – Fox News

DEIXE UMA RESPOSTA