Airbus Beluga A300
Foto: Airbus

Neste final de semana o Brasil irá receber pela primeira vez o icônico Airbus A300ST Beluga, a aeronave passará por dois aeroportos no país, sendo Fortaleza e Campinas.

O Airbus A300ST Beluga virá pela primeira vez na América do Sul trazendo um novo helicóptero H160 para um cliente. Aproveitando a viagem, a fabricante fará uma demonstração do cargueiro que entrará no mercado de cargas em breve.

O Airbus Beluga vai chegar no dia 23/07 (sábado) no Aeroporto Internacional de Fortaleza, chegando às 16h00 procedente de Dakar (DSS) cumprindo o voo 4Y 4003. A tripulação irá pernoitar para descanso e segue para Viracopos no dia seguinte às 07h00.

O pouso no Aeroporto de Viracopos em Campinas está previsto para às 11h00, a aeronave vai participar de um evento realizado pela Airbus no hangar da Azul. 

O Aeroporto Internacional de Viracopos irá realizar uma ação com a imprensa e também com os Spotters para registrar a histórica passagem do Beluga pelo Brasil.

No dia 25 de julho, o Airbus Beluga deverá decolar para Fortaleza às 08h00, chegando por volta das 11h50. A aeronave fará um novo pernoite e seguirá viagem para Dakar (DSS) às 08h00 da manhã já do dia 26 de julho.

Como se trata de uma operação charter, os horários podem ser alterados sem qualquer aviso prévio. 

O Airbus A300-600ST Beluga

Desde 1997, o programa Beluga surgiu para entrar em operação no lugar dos Super Guppies.

Desde então, foram construídos cinco A300-600STs foram construídos para transportar seções de fuselagem para as linhas de montagem da Airbus em Toulouse e Hamburgo a partir de instalações de produção na França, Alemanha, Espanha e Reino Unido.

O Airbus A300-600ST Beluga tem 56,16m de comprimento, com 17,44m de altura e envergadura de 44,84m. Sua fuselagem possui 7,7m de largura, permitindo decolar com peso máximo de 155 toneladas.

Airbus Beluga
Foto: Airbus

O avião era o principal responsável por transportar grandes peças para a montagem de diversas aeronaves da Airbus como das famílias A320 e A380. As asas do A330 e A350 são montadas e enviadas a outro local antes de ir para Toulouse também com Beluga.

Os Belugas transportam seções da estrutura das instalações da Airbus na França, Alemanha, Espanha e Reino Unido para as linhas de montagem de aeronaves comerciais em Toulouse e Hamburgo e para a linha de montagem A400M em Sevilha. O destino mais distante da rede é Ankara, capital turca, onde são recolhidos os componentes do A400M.

Os componentes das linhas de montagem final da família A320 da Airbus em Mobile, EUA, e na cidade chinesa de Tianjin são transportados da Europa por mar, diz Tahiri.

Em 2019, a Airbus abriu em Toulouse uma nova instalação para descarregar e carregar dois Belugas de uma só vez, tendo operado anteriormente em uma instalação de uma baía. É a única doca de carregamento de dois compartimentos na rede da Airbus, aponta Tahiri. 

As docas incluem totalmente a seção dianteira do Beluga com portas de hangar especialmente adaptadas para acomodar o formato da fuselagem do transporte externo. Isso permite a abertura da grande porta de carga e o carregamento da aeronave em condições climáticas adversas.

Enquanto o carregamento ao ar livre de um Beluga é limitado a velocidades de vento de 25 kt, Tahiri diz que o novo cais em Toulouse pode ser usado com velocidades de vento de até 42 kt, aguentando as mais severas tempestades.

Uma vantagem adicional é que o Belugas pode ser revertido em 1h 20min, enquanto o carregamento ao ar livre requer 2h 30min, diz Tahiri. A aeronave também pode ser abastecida durante o processo de carregamento.

Foto: Airbus

As duas docas de Toulouse estão equipadas com um sistema automatizado de carga roll-on/roll-off que pode receber a carga do primeiro voo, enquanto as remessas para o próximo estão prontas para o carregamento.

Para o carregamento, a aeronave é levantada com um macaco central acoplado à popa do cockpit. O convés de carga do Beluga é ajustado à rampa de carga de altura fixa do edifício através de um procedimento de alinhamento baseado em laser.

Os aviões Beluga geralmente não transportam seções de estruturas saindo de Toulouse, pois o local é focado na montagem final e não na produção de componentes.