F-14A Tomcat Irã
Caças F-14A Tomcat da IRIAF.

O Irã já teve uma das mais potentes forças aéreas da sua região. No entanto, os embargos que vieram após a Revolução Islâmica de 1979 impediram o fornecimento de peças e serviços de manutenção, além da aquisição de aeronaves mais modernas. Ainda assim, o Irã foi capaz de contornar esse problema parcialmente, principalmente através de engenharia reversa.

O número de aviões perdidos em acidentes e no conflito com o vizinho Iraque também não ajudou nem um pouco nos atuais números. Hoje, a Força Aérea da República Islâmica do Irã (IRIAF) conta com aeronaves já obsoletas na sua aviação de caça. 

Vamos ver quais e quantos aviões de caça a IRIAF possui em sua frota. 

 

Grumman F-14A Tomcat

F-14A Irã ordnance
F-14A Tomcat da Força Aérea Iraniana.

Total: 26 aeronaves. 

Os F-14 Tomcat estão entre os mais potentes caças do Irã. Ao todo, foram 80 unidades adquiridas durante o governo do Xá Reza Pahlavi, mas apenas 79 foram entregues. O último avião ficou retido nos Estados Unidos após a Revolução Islâmica. 

Hoje, dos 79 caças entregues, apenas 26 restam em serviço. Mesmo com o embargo, os iranianos foram capazes de manter alguns aviões em serviço, além de trazerem outros de volta ao estado operacional.

O Irã afirma que alguns Tomcats foram modernizados para o padrão F-14AM com ajuda da Rússia. No entanto, os detalhes do upgrade não foram revelados.

 

McDonnell Douglas F-4 Phantom II

F-4E Irã
Caças F-4E Phantom II da IRIAF.

Total: 63 aeronaves

O Phantom é um dos aviões de combate mais clássicos de todos os tempos. Contudo, são os caças mais antigos em serviço não só no Irã, mas também em outros países. Grécia, Turquia e Coreia do Sul ainda operam o veterano. 

Cerca de 225 caças F-4 das variantes D, E e RF-4E de reconhecimento foram vendidos ao Irã, em uma época que o gigante persa não era um inimigo de Washington.

Boa parte destas aeronaves foi perdida durante a Guerra Irã-Iraque. Hoje, cerca de 63 aeronaves permanecem em serviço, com alguns tendo recebido pequenas atualizações. O Irã também é o único país que ainda opera a variante F-4D. 

 

Northrop F-5E/F Tiger II e HESA Saeqeh 

F-5E/F IRIAF
Linha de caças F-5E e F-5F do Irã.

Total: 38 aeronaves

O Irã adquiriu tanto os F-5A/B Freedom Fighter quanto os F-5E/F Tiger II mais novos. Enquanto os A/B já foram aposentados, os Tigers seguem em serviço. O Irã recebeu 166 caças F-5E e F-5F, entregues a partir de 1974. Assim como os F-4, um bom número de F-5 foi perdido em combate, mas o pequeno Tigre ainda é um ativo importante para a IRIAF. 

Cerca de 38 desses caças permanecem em serviço. Todavia, alguns destes são um pouco diferentes. Estima-se que nove aeronaves são HESA Saeqeh, uma versão modificada e modernizada pelo próprio Irã. O detalhe mais chamativo são os dois estabilizadores verticais, que supostamente fornecem mais agilidade ao F-5. 

Infelizmente, pouco se sabe sobre os trabalhos de atualização dos F-5 iranianos, e ainda menos sobre as reais diferenças aerodinâmicas do Saeqeh para o “Tigre original”.

HESA Saeqeh F-5 IRIAF
Caça HESA Saeqeh da IRIAF. Foto: Dara Zarbaf via Wikimedia (CC BY-SA 4.0)

 

Sukhoi Su-24MK Fencer-D

Sukhoi Su-24MK pousando em Shiraz. Foto: Shahram Sharifi via Wikimedia (CC BY-SA 4.0).

Total: 23 aeronaves

Um dos aviões de combate mais usados do mundo, o Fencer também está presente no Irã. Em 1991, 24 jatos de ataque ao solo Su-24 chegaram ao país, vindos do Iraque, fugindo da Operação Tempestade do Deserto.

Dessa forma, a IRIAF incorporou os aviões à sua frota. Depois dos Su-24 iraquianos, cerca de 6 a 12 aeronaves também foram obtidas da Rússia e/ou outros Estados ex-membros da antiga União Soviética. 23 Fencers estão em operação com a IRIAF. 

Em 2011, o General Mohammad Alavi, subcomandante da Força Aérea Iraniana, afirmou que a IRIAF havia testado mísseis antirradar produzidos localmente em aeronaves Su-24.

 

Mikoyan MiG-29 Fulcrum

MMiG-29 IRIAF
MiG-29 da IRIAF no Aeroporto de Mehrabad. Foto: Dara Zarbaf via Wikimedia (CC BY-SA 4.0).

Total: 20 aeronaves

Os primeiros MiG-29 adquiridos pelo Irã chegaram a partir de junho de 1990. Teerã adquiriu 18 caças da então União Soviética e no ano seguinte, a IRIAF recebeu mais quatro caças, que fugiram para o país por conta da Operação Tempestade no Deserto. 

Atualmente, as aeronaves são operadas em dois esquadrões responsáveis pela defesa aérea da capital iraniana. Como armamento, os MiG-29 do Irã empregam o canhão GSh-30-1 e os mísseis R-27 e R-73. Recentemente, um MiG-29 e um F-5 do Irã ficaram famosos durante um inusitado treinamento.

 

Dassault Mirage F-1EQ/BQ

Mirage F-1BQ Irã
Dassault Mirage F-1BQ da IRIAF. Foto: Shahram Sharifi via Wikimedia (CC BY-SA 4.0)

Total: 17 aeronaves

Assim como os MiG-29 e Su-24 supracitados, os franceses Mirage F-1EQ e F-1BQ chegaram ao Irã por consequência da Guerra no Golfo.

Ironicamente, os Mirage F-1 do Iraque foram extensivamente empregados contra o Irã durante a Guerra Irã-Iraque. Inclusive, os Mirage franceses eram os únicos caças que ofereciam uma real ameaça aos temíveis F-14, tendo inclusive derrubado alguns desses aviões. 

Antes do conflito com os EUA e a Coalizão, o Iraque tinha 88 Mirage F-1 das variantes EQ e BQ. Destes, 24 foram levados para o Irã, sendo incorporados à frota da IRIAF, onde permanecem em serviço até hoje. As aeronaves remanescentes foram destruídas ou danificadas. 

 

Chengdu F-7N/FT-7N Airguard

F-7 FT-7 Airguard Irã
Caças F-7N e FT-7N da IRIAF. Foto: Rahim Sharafi – Ariliners.net

Total: 19 aeronaves

Em meados da Década de 1980, Teerã adquiriu 20 caças chineses F-7N e FT-7N Airguard, versão de exportação do Chengdu J-7 (uma versão chinesa do MiG-21F-13). Por conta dos embargos, a China foi relutante na venda dos jatos. Na época, Pequim e Washington também tentavam uma aproximação, o que foi pelos ares após o Massacre da Praça da Paz Celestial. 

Hoje, 19 dos 20 caças permanecem em serviço. Os F-7 ficaram limitados a um serviço mais secundário, especialmente por serem aeronaves obsoletas e com células já bastante usadas. 

Fontes: World Air Forces 2021 – Flightglobal, The World Directory of Modern Military Aircraft

DEIXE UMA RESPOSTA