A Copa Airlines declarou nesta semana, durante o anúncio dos seus resultados financeiros, que vai acelerar nos próximos meses a aposentadoria dos seus aviões Embraer E190.

De acordo com a companhia, ela tentará vender as 14 aeronaves restantes nos próximos 18 meses, cerca de três anos antes do planejado anteriormente. A companhia planeja padronizar a sua frota com base no Boeing 737, e essa antecipação da aposentadoria custará US$ 90 milhões.

O presidente-executivo da Copa, Pedro Heilbron, disse que os E190 cumpriram sua missão e a empresa espera benefícios financeiros e operacionais significativos ao ter uma frota exclusiva do 737.

As rotas anteriormente realizadas pelo Embraer E190 terão o equipamento trocado para o Boeing 737 NG.

“Estamos em um ponto em que estamos em melhor situação com uma frota e única aeronave, porque há vantagens de custo e operacionais”, diz Heilbron. “Isso pode ser menos lucrativo no curto prazo, mas o benefício líquido para a companhia aérea é positivo.”

“Com os atrasos na entrega do MAX e agora o grande número de aeronaves que esperamos receber no próximo ano, cerca de 14, decidimos que é o momento perfeito para começar a se livrar dos E190”, diSSE Heilbron. “É uma decisão prudente, considerando tudo o que está acontecendo.”

A Copa registrou um lucro líquido no terceiro trimestre de US$ 104 milhões, acima dos US$ 57,6 milhões no mesmo período do ano anterior. A receita total aumentou 5,3%, para US$ 708,2 milhões. A empresa também está com boa ocupação nos seus voos, na faixa de 85,6%.