Imagem - Qantas A380/Reprodução

O novo coronavírus, está além de fazer companhias aéreas reduzirem suas frequências e suspenderem para alguns países, chega agora a afetar também os salários de funcionários.

Alan Joyce, um dos executivos da Qantas, se juntou à crescente lista de chefes de companhias aéreas que recebem cortes de pagamento para enfrentar a crise do coronavírus.

Para o resto do ano fiscal que se encerra em 30 de junho de 2020, Joyce não receberá salário, enquanto a equipe de gerenciamento executivo do grupo fará um corte salarial de 30%.

Da mesma forma, o presidente do conselho renunciará a todos os honorários e os membros do conselho reduzirão os honorários em 30%.

A empresa comprometeu-se a zero bônus para ano fiscal de 2020 e está congelando todo o trabalho não essencial de recrutamento e consultoria. Todos os funcionários da Qantas e da Jetstar também foram convidados a tirar férias pagas ou não, devido à sua capacidade de voo reduzida.

“Quando a receita cai, você precisa cortar custos e reduzir a quantidade de vôos que fazemos é a melhor maneira de fazer isso”, disse Joyce.

“Menos voo significa menos trabalho para o nosso pessoal, mas sabemos que o coronavírus passará e queremos evitar a perda de empregos sempre que possível.” Completa.

Ele acrescenta: “É difícil prever quanto tempo essa situação vai durar, e é por isso que estamos nos movendo agora para garantir que permanecemos bem posicionados. Mas sabemos que isso vai passar e estaremos bem posicionados para aproveitar as oportunidades quando isso acontecer. ”

De acordo com o último relatório anual da Qantas, os salários-base dos principais executivos totalizaram A$ 6,7 milhões (US$ 4,4 milhões) no ano fiscal de 2019, juntamente com A$ 2,8 milhões em bônus em dinheiro. Isso inclui o salário base de US$ 2,1 milhões da Joyce e o bônus em dinheiro de US$ 1,2 milhão.

“Uma queda de material no preço do combustível proporcionou um benefício de custo significativo, além da economia com o menor consumo”, afirma.

No mês passado, a Qantas informou que o lucro antes dos impostos nos seis meses findos em 31 de dezembro de 2019 ficou estável em US$ 771 milhões, enquanto o lucro líquido estatutário caiu 4%, para US$ 445 milhões.

Outras transportadoras da Ásia-Pacífico que também anunciaram cortes nos salários dos executivos incluem Air New Zealand, Singapore Airlines, Malaysia Airlines, Malindo Air da Indonésia, China Airlines de Taiwan e China Airlines e Asiana Airlines da CorEia do Sul.

 

DEIXE UMA RESPOSTA