Crise do coronavírus coloca futuro da Avianca Colombia em dúvida

Avianca
Foto - Boeing/Reprodução

A companhia aérea colombiana Avianca, afirmou hoje (23/04) que está atualmente inadimplente sob certas obrigações, o que levou a incertezas sobre o futuro da tradicional companhia aérea. 

Em um comunicado publicado pela Avianca na Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC), a companhia aérea disse que não conseguiu arquivar seu Relatório Anual para o exercício fiscal encerrado em 31 de dezembro de 2019. 

A Avianca disse que a atual pandemia de coronavírus resultou em desafios sem precedentes. “A partir do início de março de 2020, a administração da Avianca concentrou-se apenas em superar as complexidades únicas que a pandemia criou” , afirmou. 

Atualmente, a Avianca não está voando devido ao fechamento do espaço aéreo colombiano, peruano e salvadorenho. Há um mês, a companhia aérea tinha apenas dez aeronaves restantes nos céus. Anko van der Werff, CEO da Avianca, disse que essa foi sem dúvida a crise mais difícil da história do setor aéreo. 

Consequentemente, essa situação resultou em um atraso na preparação do Relatório Anual da Avianca, afirmou a empresa. O relatório deveria ser publicado em 30 de abril, mas agora está atrasado, e deve ser publicado até 14 de junho. 

Desde março, a Avianca cortou todos os investimentos não essenciais. Também adiou temporariamente os pagamentos de leasing com contratos de longo prazo e certas obrigações de empréstimo, disse o documento. Além disso, colocou metade de sua força de trabalho em licença não remunerada e está procurando ajuda do governo. 

No entanto, como resultado dessa crise, o CEO disse que “atualmente estamos inadimplentes sob certas dívidas pendentes e outras obrigações”.


Além disso, a companhia aérea alertou sobre novas medidas para preservar os negócios e a posição do caixa, se a crise se estender.

Além disso, seus auditores independentes, a KPMG, incluirão um parágrafo explicativo no Relatório Anual, indicando dúvidas substanciais  “sobre nossa capacidade de continuar como uma empresa em andamento”. 

Apenas em 2019,  a companhia aérea teve custos pontuais de US$ 894 milhões. A Avianca mudou de direção no ano passado e recebeu Anko van der Werff e também vendeu 10 Airbus A318, quatro A320 e 10 Embraer E190. 

A empresa disse que todos esses custos eram desnecessários. A Avianca esperava ter um ótimo 2020 com seu novo plano para 2021, feito para a companhia aérea prosperar por mais 100 anos

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) vê o governo colombiano como um modelo na região no momento. 

A Colômbia anunciou medidas de socorro para ajudar a indústria aérea. Por exemplo, estabeleceu uma linha de crédito de cerca de US$ 80 milhões para empresas afetadas pela queda na demanda de viagens, turismo e transporte. 

A Colômbia também deu isenção na taxa de estacionamento de aeronaves para as companhias aéreas colombianas. Além disso, adiou o imposto de turismo até 30 de outubro de 2020. Por fim, reduziu os impostos sobre passagens e combustíveis de 19% para 5% até dezembro de 2021. 

Além disso, Avianca e o Aeroporto Internacional El Dorado, em Bogotá, andam de mãos dadas. A Avianca é a maior das 27 companhias aéreas que voam de e para Bogotá. A transportadora tinha 59 destinos antes da crise. Depois disso, a transportadora regional estatal SATENA teve 18 destinos, LATAM com 16 e, em seguida, Viva Air Colombia e Wingo, ambos com 14.

 

DEIXE UMA RESPOSTA