Foto via - The Aviation Herald

No dia 24 de maio o CENIPA divulgou um relatório preliminar sobre o incidente grave que ocorreu com um Boeing 777-300ER (PT-MUG) da LATAM Brasil, no dia 20 de dezembro do ano passado.

O CENIPA disse que encontrou evidências de um curto conector no conector D7232, que interliga o gerador de backup do lado direito ao conversor de corrente do lado direito.

Como forma de contornar o circuito com curto, um conversor de backup abriu 4 conectores de alimentação, passando energia para pontes de transferência, com ligação direta em dois disjuntores no barramento de transferência e dois disjuntores no conversor de corrente.

Os geradores são localizados e interligados diretamente no motor da aeronave, no bimotor Boeing 777 há dois geradores de corrente alternada por motor, sendo um deles de backup, que entra em funcionamento quando há erros no gerador principal.

Foto via – Aviation Herald

A imagem acima foi tirada da aeronave do incidente, logo após o ocorrido, e exemplifica a falha e a interligação do sistema com a parte elétrica da aeronave. Nela podemos ver que o gerador de backup do lado direito está como inoperante.

O L Drive e o R Drive são os geradores principais, ligados a um barramento principal. Os dois fornecem corrente alterada, em alta frequência, que alimentam partes de alto consumo da aeronave.

Outros dois geradores (L GEN e R GEN) fornecem corrente direta (DC). Eles alimentam a parte de computadores da aeronave, incluindo o Fly-By-Wire, e não foram afetados durante esse incidente, deixando teoricamente o comando da aeronave com total capacidade (sim, o 777 utiliza Fly-By-Wire).


Curiosamente o CENIPA também citou uma falha no conversor de corrente do backup, que comandou uma desconexão dos barramentos principais ao barramento de transferência (R Main e L Main).

As únicas unidades de energia que ficam fora do barramento principal são: o RAT e o conjunto de Baterias, que sustentaram o avião enquanto ele alternava para o Aeroporto de Confins.

Devido ao sistema de baterias ter autonomia limitada, o pouso precisa ser realizado de maneira imediata. Vale ressaltar que o barramento principal foi desconectado, desligando os computadores que suportam os comandos de voo, e logo após entrou em ação o barramento auxiliar, com energia DC da RAT e da bateria.

O relatório ainda é preliminar, e carece de mais detalhes, que serão divulgados em um relatório final.

 

O Incidente

Na madrugada de uma quinta-feira (20/12), o Boeing 777-300ER da LATAM Brasil, de matrícula PT-MUG, realizou um pouso de emergência no Aeroporto de Confins, após uma pane elétrica durante o voo LA8084 de Guarulhos (São Paulo) para Londres.

A aeronave pousou acima do peso permitido (devido ao combustível para realizar o voo até Londres), e por isso teve danos nos pneus, rodas e freios, pelo superaquecimento do conjunto de frenagem do avião que acabou gerando um foco de fogo durante alguns minutos, combatido pelos bombeiros que usaram uma espuma para abafar as chamas.

Os 341 passageiros foram retirados da aeronave com segurança, e ninguém ficou gravemente ferido durante o procedimento.

 

Com informações do incidente retiradas do The Aviation Herald.