Azul

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA – International Air Transport Association) anunciou que o tráfego de passageiros caiu em janeiro de 2021, tanto em comparação aos níveis pré-COVID (janeiro de 2019) quanto em comparação com o mês anterior (dezembro de 2020).

Como as comparações entre os resultados mensais de 2021 e 2020 estão distorcidas devido ao impacto extraordinário da COVID-19, a não ser que especificado de outra forma, todas as comparações são relacionadas a janeiro de 2019, que seguiu um padrão de demanda normal.

• A demanda total em janeiro de 2021 (medida em passageiro pagante-quilômetro ou RPKs) caiu 72,0% em comparação com janeiro de 2019. Esse resultado foi pior que a queda de 69,7% ano a ano registrada em dezembro de 2020.

• A demanda interna total caiu 47,4% em relação aos níveis pré-crise (janeiro de 2019). Em dezembro, caiu 42,9% em relação ao ano anterior. Esse enfraquecimento é resultado, em grande parte, pelos controles mais rígidos de viagens nacionais na China durante o período do feriado do Ano Novo Lunar.

• A demanda internacional de passageiros em janeiro de 2021 ficou 85,6% abaixo do índice de janeiro de 2019, resultado inferior à queda de 85,3% ano a ano registrada em dezembro.

“2021 começou ainda pior do que o fim de 2020, e isso quer dizer muito. Mesmo com os programas de vacinação ganhando força, as novas variantes da COVID estão forçando os governos a aumentar as restrições às viagens. A incerteza sobre a duração dessas restrições também afeta as viagens futuras. As reservas em fevereiro de 2021 para a temporada de verão no hemisfério norte ficaram 78% abaixo dos níveis de fevereiro de 2019”, disse Alexandre de Juniac, diretor geral e CEO da IATA.

Mercados internacionais de transporte aéreo de passageiros

As companhias aéreas da região Ásia-Pacífico relataram queda de 94,6% no tráfego de passageiros em janeiro em relação a janeiro de 2019, praticamente sem mudança em relação à queda de 94,4% registrada em dezembro de 2020 na comparação com o ano anterior. A região continuou apresentando a maior queda no tráfego pelo sétimo mês consecutivo. A capacidade caiu 86,5% e a taxa de ocupação diminuiu 49,4 pontos percentuais, atingindo 32,6%, a menor entre as regiões.
As companhias aéreas da Europa apresentaram queda de 83,2% no tráfego em janeiro de 2021 em relação a janeiro de 2019, resultado inferior à queda de 82,6% registrada em dezembro de 2020 na comparação com dezembro de 2019. A capacidade caiu 73,6% e a taxa de ocupação diminuiu 29,2 pontos percentuais, atingindo 51,4%.

As companhias aéreas do Oriente Médio apresentaram queda de 82,3% em janeiro de 2021 em relação a janeiro de 2019, resultado praticamente inalterado em relação à queda de 82,6% na demanda registrada em dezembro em relação ao ano anterior. A capacidade caiu 67,6% e a taxa de ocupação diminuiu 33,9 pontos percentuais, atingindo 40,8%.

As companhias aéreas da América do Norte apresentaram queda no tráfego de passageiros de 79,0% em comparação com o mesmo período de 2019, um pouco melhor que a queda de 79,5% registrada em dezembro em relação ao ano anterior. A capacidade caiu 60,5% e a taxa de ocupação diminuiu 37,8 pontos percentuais, atingindo 42,9%.

As companhias aéreas da América Latina apresentaram queda de 78,5% na demanda registrada em janeiro em relação ao mesmo mês de 2019, resultado ainda pior que a queda de 76,2% em dezembro na comparação com o ano anterior. A capacidade de janeiro caiu 67,9% em relação a janeiro de 2019 e a taxa de ocupação diminuiu 27,2 pontos percentuais, atingindo 55,3%, a maior entre as regiões pelo quarto mês consecutivo.

As companhias aéreas da África apresentaram queda de 66,1% no tráfego de passageiros em janeiro, que foi uma pequena melhoria em relação à queda de 68,8% registrada em dezembro na comparação com o ano anterior. A capacidade de janeiro diminuiu 54,2% em relação a janeiro de 2019 e a taxa de ocupação caiu 18,4 pontos percentuais, atingindo 52,3%.

Mercados domésticos de transporte aéreo de passageiros

O tráfego doméstico de passageiros da China caiu 33,9% em janeiro em relação a janeiro de 2019, piorando drasticamente em relação ao declínio de 8,5% em dezembro na comparação com o ano anterior. Essa queda foi resultado da adoção de controles mais rígidos no tráfego antes do feriado do Ano Novo Lunar devido a vários surtos de COVID-19 em áreas específicas.

O tráfego doméstico de passageiros da Rússia, por outro lado, aumentou 5,5% em relação a janeiro de 2019, uma mudança significativa em relação à queda de 12,0% registrada em dezembro versus dezembro de 2019. Essa melhoria foi resultado da queda no número de casos de COVID-19 desde o pico registrado no fim de dezembro e dos feriados nacionais na primeira semana do mês.

Resumindo

“Dizer que 2021 não começou bem é um eufemismo. As perspectivas financeiras para o ano pioram à medida que os governos aumentam as restrições de viagens. O setor deve queimar entre US$ 75 e US$ 95 bilhões de suas reservas este ano, em vez de retomar o saldo positivo no quarto trimestre, conforme havíamos previsto. O setor não poderá suportar isso sem medidas adicionais de ajuda dos governos.”

“O aumento de capacidade de teste e distribuição de vacinas é fundamental para que os governos destravem a atividade econômica, incluindo as viagens. É fundamental que os governos desenvolvam e compartilhem seus planos de retomada com as referências que os guiarão. Isso permitirá que o setor se prepare para colaborar com a recuperação sem atrasos desnecessários”, disse de Juniac.

Padrões globais de registro seguro dos dados de teste e vacinação em formatos reconhecidos internacionalmente devem ser definidos com urgência. “Esses padrões serão fundamentais para a retomada das viagens internacionais se os governos continuarem exigindo a verificação dos dados de testes ou vacinação.

Em breve, a IATA lançará o IATA Travel Pass para ajudar os viajantes e governos a gerenciar as credenciais de saúde digitais. Mas não será possível aproveitar seus benefícios por completo sem que os governos concordem com os padrões das informações que desejam receber”, disse de Juniac.

Veja a análise completa dos mercados de transporte aéreo de passageiros de janeiro de 2021, (incluindo as comparações 2020 x 2021)

 

Via: IATA