Foto - Divulgação

(Reuters) – A demanda por combustível de aviação na Ásia está sofrendo com o surto de um vírus semelhante à gripe na China, que levou companhias aéreas a cancelarem dezenas de voos durante o Ano Novo Lunar, uma alta temporada para viagens.

Os preços do combustível de aviação caíram e os lucros das refinarias com o produto caíram para o menor nível em mais de dois anos e meio, enquanto analistas do setor estão cortando suas previsões para a demanda em 2020 por combustível de aviação e petróleo em geral.

Companhias aéreas e passageiros estão em alerta devido ao coronavírus que teve origem na cidade chinesa de Wuhan, na região central do país, e matou até agora mais de 100 pessoas na China, espalhando-se ainda para mais de 10 países, incluindo França, Japão e Estados Unidos.

Passageiros cancelaram planos de viagem para o feriado do Ano Novo Lunar, levando as companhias aéreas a oferecer reembolsos.

“Os participantes do mercado, já cautelosos com o lento crescimento da demanda em relação ao ano passado, estão avaliando os efeitos sobre a demanda global por petróleo do bloqueio em várias cidades da China e da provável redução das viagens na região Ásia-Pacífico”, disse o analista do Barclays, Amarpreet Singh, em nota.

Produto caíram para o menor nível em mais de dois anos e meio, enquanto analistas do setor estão cortando suas previsões para a demanda em 2020 por combustível de aviação e petróleo em geral.

Companhias aéreas e passageiros estão em alerta devido ao coronavírus que teve origem na cidade chinesa de Wuhan, na região central do país, e matou até agora mais de 100 pessoas na China, espalhando-se ainda para mais de 10 países, incluindo França, Japão e Estados Unidos.


Passageiros cancelaram planos de viagem para o feriado do Ano Novo Lunar, levando as companhias aéreas a oferecer reembolsos.

“Os participantes do mercado, já cautelosos com o lento crescimento da demanda em relação ao ano passado, estão avaliando os efeitos sobre a demanda global por petróleo do bloqueio em várias cidades da China e da provável redução das viagens na região Ásia-Pacífico”, disse o analista do Barclays, Amarpreet Singh, em nota.

DEIXE UMA RESPOSTA