Como resultado de uma série de desvalorização das ações e também dos resultados financeiros, a Embraer perdeu em um mês cerca de 30% do seu valor de mercado.

De acordo com uma publicação do Poder 360, um site especializado em finanças, no dia 04 de julho a empresa valia R$ 19,8 bilhões, quando suas ações atingiram um pico de valor na expectativa do acordo com a Boeing que seria anunciado no dia seguinte.

Depois de anunciado o valor a ser pago pela Boeing por 80% do setor de aeronaves comerciais, as ações da Embraer caíram de imediato no mesmo dia, causando uma diminuição do valor da empresa em 14% em menos de 24 horas.

Desde então, com o resultado financeiro do segundo trimestre divulgado, a Embraer viu seu valor de mercado diminuir 30%, e agora toda a empresa tem valor de R$ 13,8 bilhões.

Isso não é preocupante, pois desde o início das negociações com a Boeing, em dezembro de 2017, e ainda registrando lucros, a Embraer valorizou 34%, até o dia que as empresas assinaram um memorando de entendimento.

Os economistas ainda estão estáveis sobre a situação do acordo da Embraer com a Boeing. Muitas etapas ainda precisam ser concluídas, e o Governo Federal provavelmente vai ficar até as eleições sem divulgar os possíveis vetos que deseja para o acordo entre as empresas.

A transação avalia 100 por cento das operações e serviços de aviação comercial da Embraer em 4,75 bilhões de dólares e contempla o pagamento por parte da Boeing do valor de 3,8 bilhões de dólares pelos 80% de propriedade na joint-venture. A Embraer entrará com os seus jatos comerciais no negócio.

A parte de aviação executiva foi deixada de lado, o mesmo para a divisão militar da empresa. Apesar disso a Embraer firmou uma parceria com a Boeing para ajudar nas vendas e marketing do KC-390.