No último domingo a Embraer lançou os novos jatos Praetor 500 e 600, e logicamente muitos questionaram sobre a aparência do mesmo ser bastante similar aos aviões Legacy 450 e 500.

Apesar das duas linhas de aeronaves terem a aparência semelhante, em termos de engenharia há muitas mudanças que permitiram a criação do Praetor com enorme vantagem no campo da autonomia de voo.

 

Winglets

A primeira mudança significativa que podemos ver é na parte externa. Os winglets são novos, no total 0,57m mais altos que os do Legacy e acrescentam 1,25m à envergadura. Vale ressaltar que esses winglets são adaptáveis ​​no Legacy 450 e 500, mas o peso adicional exige pequenas modificações no sistema de controle de voo digital para ambos os modelos.

A Embraer não divulgou a economia proporcionada pelos novos winglets, mas deve ser similar, se comparamos com as modificações incorporadas no E175, útil em voos de média e longa distância.

 

Combustível e tanques

Provavelmente o maior trunfo do projeto é a maior autonomia. O Praetor 500 teve a sua capacidade de combustível estendida em 431 kg, comparando com o Legacy 450, e isso proporcionou que a aeronave tivesse o seu alcance estendido em 648 km nas mesmas condições de voo do Legacy 450, mas com o maior peso da aeronave e potência do motor.

Já o Praetor 600 apresenta um acréscimo de alcance na faixa de 1400 quilômetros, e modificou muitas partes estruturais para conseguir colocar 1328 kg a mais de combustível no Praetor 600, em comparação com o Legacy 500.

Os engenheiros da Embraer adicionaram dois tanques auxiliares na barriga da aeronave, um na carenagem à frente da asa, e outro na parte traseira da aeronave, isso sem alterar o compartimento para bagagem. A estrutura da barriga foi alterada, para suportar o maior peso dos tanques e proteger o local no caso de uma aterragem sem a presença do trem de pouso.

Com quatro passageiros e reservas NBAA IFR, o Praetor 600 terá um alcance de 3900 milhas náuticas (7223 km) e o Praetor 500 com 3250 milhas náuticas (6019 km).

 

Peso extra e potência adicional dos motores

Devido às modificações estruturais e aos tanques extras o peso máximo de decolagem do Praetor 600 aumentou em 2040 kg, em relação ao Legacy 500. Em compensação a aeronave consegue levar oito passageiros com os tanques no máximo de combustível suportado.

No Praetor 500 o aumento do MTOW foi de 760 kg.

Por conta do aumento de peso, os motores Honeywell HTF7500E que equipam o Praetor 600 tiveram um aumento de 7% no empuxo produzido, registrando agora 7528 lbs de empuxo.

Os engenheiros da Embraer também perceberam que o maior peso na parte central da aeronave causava uma sobrecarga nos ailerons durante as manobras de pouso e decolagem. Por isso o sistema de aviônicos Full Fly-By-Wire recebeu comandos para acionar os spoilers durante manobras que exigem a inclinação da aeronave em baixa velocidade, caso contrário o torque a ser produzido pelo aileron precisaria ser maior, logo a superfície do mesmo deveria ser aumentada.

 

Válido para o Legacy e Praetor

Em comum, as cabines de comando do Praetor também oferecem opções que incluem o E2VS (do inglês Embraer Enhanced Vision System) com HUD (do inglês, Head-up Display) e EVS (do inglês, Enhanced Vision System), Sistema de Referência Inercial (do inglês, Inertial Reference System) e Sistema de Orientação de Visão Sintética (do inglês, Synthetic Vision Guidance System).

O dono de um Legacy também pode optar pelo sistema de internet via satélite da Viasat em banda Ka, com velocidades de até 16 Mbps e IPTV.

 


Vale ressaltar que mesmo com todas essas modificações, um Praetor 600 ainda pode levar 12 passageiros a bordo, e continua sendo capaz de operar em pistas de curta distância com decolagens no peso máximo.

A expectativa é de que o Praetor 600 seja certificado e entre em serviço no segundo trimestre de 2019, seguido pelo Praetor 500, no terceiro trimestre de 2019.