A companhia aérea Alitalia, que pediu para ser colocada sob administração especial na terça-feira da semana passada, tinha dívidas de cerca de 3 bilhões de euros (US $ 3,3 bilhões) no final de fevereiro, disse o governo italiano no último sábado. Foi no documento que marcou a abertura do processo de administração especial e a nomeação de três comissários para administrar a companhia aérea, que o governo italiano disse sobre os passivos da Alitalia, de cerca de 2,3 bilhões de euros, e ativos no valor de 921 milhões.

O governo italiano tem descartado a renacionalização da Alitalia, uma companhia aérea que já foi um símbolo do disparo econômico do pós-guerra na Itália, mas que agora está lutando para competir em casa contra companhias aéreas de baixo custo e trens de alta velocidade (trem bala), a companhia peca por não ter investido em voos de longa distância nos últimos anos.

O balanço da companhia aérea será examinado pelos três comissários, que receberam seis meses para avaliar se a empresa pode ser reestruturada como autônoma, ou por meio de uma venda parcial ou total, ou então liquidada. Um deles, Luigi Gubitosi, já disse que os custos da companhia aérea, especialmente para leasing, combustível e manutenção, estavam acima das taxas de mercado e terão de ser cortados para tornar a Alitalia atraente para qualquer comprador potencial.

Nos últimos dias o Governo Italiano autorizou um empréstimo de 600 milhões de euros para a Alitalia, com intenção de ajudar a companhia. Fontes disseram que a companhia aérea está perdendo pelo menos um milhão de euros por dia e corre o risco de ficar sem dinheiro até meados de maio.

Nenhuma companhia demonstrou interesse em comprar a Alitalia, a Etihad relatou que não planeja investir na Alitalia, apesar da crise.

 

Via – Reuters