EASA recomenda a suspensão da licença de voo dos pilotos do Paquistão

Foto - PIA/Reprodução

A Agência de Segurança da Aviação da União Europeia (EASA) proibiu por seis meses a Pakistan International Airlines (PIA) de sobrevoar o espaço aéreo da União Europeia.

A agência está agora tomando as precauções, recomendando que as companhias de países terceiros barrem todos os pilotos licenciados pela Autoridade de Aviação Civil do Paquistão (PCAA).

Atualmente, 262 pilotos paquistaneses estão suspensos e sob investigação por manter o que o ministro da Aviação do país, Ghulam Sarwar Khan, está chamando de credenciais “duvidosas”.

“Aproximadamente 40% das licenças de piloto de companhias aéreas emitidas pela PCAA são falsificadas ou não são compatíveis com a ICAO [Organização Internacional de Aviação Civil]”, dizia a carta enviada as companhias aéreas. “Esta é uma grave preocupação de segurança.”

Enquanto a lista está sendo contestada pelas companhias aéreas e sindicatos de pilotos paquistaneses, incluiu 141 pilotos da PIA, nove da Air Blue, dez da Serene Airline e 14 da Shaheen Airlines. Uma investigação sobre suas qualificações revelou que esses pilotos haviam trapaceado em seus exames ou recrutado outros para fazê-los em seu lugar.

Embora o acidente fatal do PK8303 em maio deste ano, que matou 97 pessoas, tenha acelerado a investigação de credenciais de piloto , esse não foi o motivo de seu início. 

A investigação começou após um pouso forçado há dois anos. No acidente de 2018, descobriu-se que o piloto que comandava o avião não poderia estar presente para fazer o exame, pois estava de férias na data do teste.


 

DEIXE UMA RESPOSTA