Se você observar a janela de uma aeronave, vai identificar que há dois painéis diferentes, um para a parte externa, fixada na fuselagem, e outra no acabamento interno do avião.

Mas isso pode mudar se a EASA decidir alterar uma regulamentação já existente no setor aéreo.

Essa mudança parte de uma solicitação das fabricantes, provavelmente a Dassault, sobre a instalação de uma janela na parte superior das fuselagens das aeronaves. Um projeto recente da fabricante francesa tem essa alteração como um “plus” para o novo jato executivo.

Falcon 6X aposta em uma janela no teto logo na entrada da aeronave. Foto – Dassault/Divulgação

A EASA ressaltou que para autorizar a instalação dessas janelas na parte superior, ela precisa oferecer “qualidade ótica”, ou seja, sem distorcer ou convergir a luz. Logo, a instalação de apenas uma peça pode ser solicitada pela EASA.

A instalação de uma janela com apenas um componente, no entanto, pode ir contra as regras da própria agência, que precisam ser alteradas para possibilitar a autorização das “janelas superiores”.

Como resultado, a EASA vai iniciar um conjunto de testes juntamente com as fabricantes para certificar a janela de face única. Uma autorização temporária deverá ser emitida para que as fabricantes realizem os primeiros testes, inicialmente com uma limitação dos ciclos de voo para cada aeronave.

Algumas configurações exigirão a instalação de uma caixa à prova de pressão sob uma das janelas, que pode manter as cargas de pressão diferencial se a janela falhar. A principal função das duas faces em uma janela de aeronave é distribuir de uma forma melhor a pressão diferencial, e evitar um problema em caso de falha de algum componente.

A EASA vai buscar o mesmo efeito de distribuição de cargas, resistência à falhas e alterações de temperatura bem como redundância do material para essa alteração, evitando uma despressurização repentina pela quebra do único elemento da janela.

Atualmente as fabricantes já implementam janelas no cockpit com apenas uma camada, utilizando um sanduíche laminado de vidro, que resistem aos impactos de aves, pedras de granizo e outros materiais, sem afetar a pressurização da aeronave.

Você pode ver o documento completo da EASA Clicando Aqui.

 

Via: FlightGlobal