Ecuatoriana tenta ressurgir 14 anos depois

Foto: Alan Wilson

A Ecuatoriana de Aviación foi uma companhia aérea subsidiaria da brasileira VASP, que detinha cerca de 50% do controle da empresa. Inclusive com a identidade visual semelhante, as duas empresas compartilharam aeronaves e outros serviços, entretanto a Ecuatoriana suspendeu as operações em 2006.

A companhia era considerada uma das grandes do setor no Equador. A empresa voou diversos destinos conhecidos internacionalmente, garantiu por alguns anos ser a empresa de bandeira do país. 

Após a falência da empresa a TAME surgiu para ocupar o lugar de empresa bandeira do Equador mas também fechou as portas. A marca Ecuatoriana mesmo sem operar regularmente ainda é presente, e por ter a marca preservada chamou a atenção de um grupo de investidores.

Este grupo fez um projeto para relançar a companhia tradicional com grandes mudanças para se adequar ao cenário atual de aviação.

“O projeto nasceu em julho de 2013 a partir de uma ideia de seus fundadores, que se concretizou em novembro de 2019, quando a companhia aérea foi constituída como Sociedad Anónima (SA) no Equador.” Disse os investidores.

Acrescentou que “nossa pesquisa provou que ainda tem muita boa vontade e é facilmente reconhecida. É uma companhia aérea querida por muitos que voam na Ecuatoriana. Muito parecido com Mexicana De Aviación.”

Uma vitória foi conquistada recentemente pela empresa, no dia 31 de agosto recebeu a sua licença para operar voos do Conselho Nacional de Aviação Civil do Equador (CNAC).


Recentemente o governo do Equador anunciou a extinção de 7 empresas estatais e entre elas a TAME. A TAME trouxe diversos prejuízos nos últimos anos ao governo, como consequência disso foi suspensa da IATA por falta de pagamentos. 

O desaparecimento da TAME e o surgimento da nova Ecuatoriana, levaram a pensar em uma conectividade entre as empresas. A Ecuatoriana desmente todos os boatos, a companhia tem todos os registros legais e regulares e esta buscando se constituir uma Corporação C nos EUA. 

“A Ecuatoriana Airlines não tem envolvimento com o governo equatoriano, nem com a TAME EP, nem tem vínculo com nenhum partido político. O investimento é privado”, disse a Ecuatoriana. 

O planejamento da companhia é realizar voos domésticos para ajudar a economia local a se movimentar novamente. Além disso vai buscar operar destinos que nunca foram realizados pela empresa anteriormente. 

Para isso a Ecuatoriana solicitou iniciar as operações no primeiro trimestre de 2021, como a empresa não possui nenhum bem de aeronaves, terá de buscar no mercado algumas aeronaves para iniciar seus voos.

Com relação a frota, a companhia deixou em aberto as possibilidades e irá avaliar todas. Desde aeronaves menores como ATR 42 e Dash 8 até os A220, A319 e Boeing 737.

“No momento, estamos avaliando vários tipos de aeronaves. No entanto, iniciaremos as operações com um turboélice e, eventualmente, passaremos para aeronaves maiores conforme as operações considerarem adequado.”

 

DEIXE UMA RESPOSTA