Foto - Woody/GOL - Divulgação

Em uma atualização preliminar e não auditada para os investidores, a GOL Linhas Aéreas detalhou um pouco mais sobre os seus resultados financeiros no 3º trimestre de 2018, sem passar pelo resultado final que deverá ser declarado em alguma data no fim de outubro ou início de novembro.

No relatório a GOL estimou uma margem operacional de 5,0%-5,5% no trimestre, redução de aproximadamente 7 p.p. em relação à margem operacional do trimestre findo em setembro de 2017 de 12,2%, afetada pela apreciação do dólar frente ao Real e pelo aumento do preço do combustível no período. O fluxo de caixa operacional no trimestre findo em setembro está estimado em R$450-500 milhões.

A receita unitária de passageiro (PRASK)² esperada para o trimestre findo em setembro é
maior entre 4,5%-5,0% comparada ao mesmo período do ano passado, à medida que a
disciplina de capacidade e as estratégias de gerenciamento de receita da GOL continuam
beneficiando os resultados. Para o trimestre findo em setembro, a GOL espera um aumento
da receita unitária (RASK) de 4,0%-4,5%.

Os custos unitários ex-combustíveis (CASK ex-comb.), deverão apresentar redução de
aproximadamente 2,5% comparativamente ao terceiro trimestre de 2017.

A GOL estimou o seu nível de alavancagem financeira, apresentado pelo indicador de Dívida Líquida³/EBITDA UDM, em aproximadamente 3,3x no trimestre findo em setembro de 2018. A liquidez total no final do trimestre está estimada em R$3,1 bilhões, comparado
com R$3,0 bilhões no final do trimestre anterior.

Esses fatores, somados à queda do dólar nesta segunda-feira, estão valorizando as ações da companhia na Bovespa (GOLL4) em 12,5%, cotadas a R$ 13,95, em dados coletados às 12h21.