Aeroflot Airbus A350 Rússia
Foto: Airbus

A agência estatal de notícias da Rússia, a TASS, divulgou recentemente uma declaração do embaixador chinês na Rússia, Zhang Hanhui, afirmando que a China em breve fornecerá peças de aeronaves para as companhias aéreas da Rússia.

Desde o início das sanções, implementadas pela guerra com a Ucrânia, a Rússia está enfrentando uma escassez de peças de aeronaves e até mesmo de carros. As companhias aéreas do país utilizam em massa aviões ocidentais fabricados pela Airbus e Boeing, e precisou “canibalizar” alguns aviões para manter outros em condições de voo.

Para manter a aviação do país funcionando, a Rússia correu para adiantar a nacionalização de alguns aviões produzidos no país, e revogou algumas regulamentações que restringiam a manutenção e aquisição de peças. A movimentação é claramente para possibilitar o uso de peças sem origem, ou fabricadas sem certificação da fabricante.

“Estamos prontos para entregar peças para a Federação Russa, estamos organizando essa cooperação. Agora as companhias aéreas estão trabalhando nisso, eles têm canais específicos, não há restrições do lado chinês”, a TASS citou Hanhui como tendo dito esse trecho em um Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo.

Inicialmente a China se recusou a fornecer peças certificadas pela Boeing e Airbus, e também fabricadas no ocidente, para a Rússia. No entanto, o país asiático pode ainda fornecer peças nacionais semelhantes, mas não certificadas pelas autoridades norte-americanas e europeias, para a Rússia.

 

Com informações de Aerotime e TASS.