E190 E-1
Embraer/Divulgação.

A Embraer revelou no Dubai Airshow que está analisando a conversão de aeronaves E190 e E195 E1 de passageiros para cargueiros (P2F). A companhia deve tomar uma decisão sobre o assunto no próximo ano. 

“Há uma grande demanda por aeronaves desse porte”, disse Rodrigo Silva e Souza, vice-presidente de marketing da Embraer Commercial Aircraft, ao portal Aviation Week

Os E1 cargueiros devem transportar cerca de 14 toneladas com uma autonomia de 2000 milhas náuticas (cerca de 3700 quilômetros). Se a Embraer optar por seguir em frente com as conversões, ela iniciará um programa de desenvolvimento de 24 meses para uma possível entrada no mercado em 2024.

A Embraer prevê que as companhias aéreas encomendem cerca de 700 cargueiros no segmento de mercado que atende nos próximos 20 anos. 

De acordo com sua última previsão de mercado, divulgada na segunda-feira, dois terços dos aviões de carga serão para crescimento, enquanto um terço substituirá a capacidade existente.

Embraer E195 E1
Embraer/Divulgação.

A Embraer também vê um mercado geral de 10.900 aeronaves com até 150 assentos nos próximos 20 anos. Isso se compara aos cerca de 5.500 aeronaves que previu na edição do ano passado, que foi limitada a um horizonte de tempo de 10 anos por causa das incertezas causadas pela pandemia. Em 2019, a Embraer projeta um mercado de 10,5 mil unidades em 20 anos.

A indústria será cerca de 20% menor do que o antecipado anteriormente durante o período de previsão, mas a demanda por aeronaves ainda vai crescer, porque 60% das aeronaves serão usadas como substitutas e não para crescimento.

A empresa espera que as companhias aéreas e os locadores encomendem 8.640 jatos e 2.260 turboélices. No Dubai Airshow, a Embraer anunciou um pedido firme de três 175 da Overland Airways, uma companhia aérea regional da Nigéria, com opções para outros três aviões. 

DEIXE UMA RESPOSTA