Embraer
Foto: Embraer/Divulgação

Nesta terça-feira (10/05) o CEO da divisão de aviões comerciais da Embraer, Arjan Meijer, confirmou que a empresa está trabalhando com possíveis parceiros indianos para desenvolver um novo avião do tipo turboélice, onde retornará a esse mercado após 20 anos de hiato.

Para a Reuters, Meijer declarou que a empresa está buscando parceiros no mercado indiano para dividir o financiamento e execução do projeto. O lançamento da aeronave deve ocorrer em 2023, de acordo com o executivo, com os voos comerciais iniciando em 2027 ou 2028.

A parceria com alguma empresa do mercado indiano pode reforçar o produto da Embraer no mercado asiático, o maior do mundo atualmente, e com uma ampla demanda por aeronaves regionais. 

No mesmo evento, Meijer também afirmou que a Embraer espera realizar 700 conversões de E-Jets para cargueiros nos próximos anos. A fabricante assinou recentemente o primeiro contrato desse tipo para 10 aviões com a NAC.

 

O Turboélice da Embraer

Embraer Turboélice
Imagem: Divulgação/Embraer

A Embraer está desde 2019 apresentando a possibilidade de construir uma nova aeronave, para voltar ao segmento de turboélices.

O novo turboélice da Embraer deverá ser equipado com motorização convencional, de acordo com Meijer, se a fabricante decidir prosseguir com o projeto entre o final deste ano e o início de 2023.

O prazo de entrada em uso comercial, de 2027, impede que a Embraer invista em uma propulsão híbrida para sua nova aeronave. No entanto, a fabricante quer incorporar melhorias aerodinâmicas, de materiais, nos aviônicos e motores convencionais mais econômicos compatíveis com biocombustíveis.

O novo avião turboélice deve focar no mercado de 70 a 90 assentos, como já postado anteriormente. 

Como meta, a Embraer espera uma perspectiva de demanda para 1000 novos aviões neste mercado de 70 a 100 assentos nos próximos 10 anos. A demanda existe mesmo considerando a disponibilidade do avião para depois de 2027.

 

Possibilidade de motores Rolls-Royce

O presidente da Rolls-Royce Civil Aerospace, Chris Cholerton, disse que sua empresa, que é voltada para motores de aeronaves widebody, estava trabalhando para apresentar uma proposta convincente de motor turboélice para a Embraer.

“Acho que veríamos reduções significativas no consumo de combustível e, portanto, estamos muito positivos sobre o potencial desse produto”, disse ele a repórteres no Singapore Airshow. “Acho que veríamos reduções significativas no consumo de combustível e, portanto, estamos muito positivos sobre o potencial desse produto”.
 
 
Embraer
Imagem: Divulgação/Embraer

Na projeção acima podemos ver como a Embraer aposta em um design refinado, derivado dos E-Jets de 2ª geração. O novo avião a jato foi projetado para conseguir uma significativa economia de combustível em relação aos concorrentes, mesmo que a opção seja para a propulsão convencional já existente no mercado.

Podemos notar também, nesta foto que fez parte de uma apresentação aos executivos de aéreas dos Estados Unidos, os motores instalados na cauda. 

Durante a apresentação do novo projeto, Luis Carlos Affonso que é Vice-Presidente Sênior de Engenharia disse que o novo conceito de motores instalados na cauda irão permitir um voo mais silencioso, proporcionando uma semelhança com aviões com motores a jato tornando a viagem mais confortável.  

O executivo disse ainda que o novo motor com “arquitetura propfan”, ou de turbopropulsores com “caixas de redução” por exemplo, poderão melhorar a eficiência operacional da aeronave e consequentemente reduzindo seus custos operacionais.