Foto - Embraer/Reprodução

Uma comitiva chefiada pelo Ministro de Estado da Defesa, Joaquim Silva e Luna, e pelo Comandante da Força Aérea Brasileira (FAB), Tenente-Brigadeiro do Ar Nivaldo Luiz Rossato, concluiu, nesta terça-feira (18/09), uma série de visitas a unidades e companhias que produzem tecnologia no campo do Poder Aeroespacial.

O objetivo foi atualizar o Ministério da Defesa (MD) sobre o andamento dos projetos nessa esfera.

De acordo com a Embraer, o terceiro avião produzido, e primeiro de série, está em etapa de testes, depois do desfalque do primeiro avião produzido, que sofreu dois acidentes em poucos meses.

No entanto dois aviões estão na fase de finalização, na linha de montagem final, outros dois estão em uma fase de montagem da estrutura. Um quinto avião está aguardando as peças para iniciar a montagem final.

Por conta disso a expectativa é entregas três aviões para a Força Aérea Brasileira (FAB) em 2019, após obter o certificado final.

 

A visita

O grupo, formado ainda por oficiais-generais das três Forças Armadas, esteve no pátio industrial da Embraer, em Gavião Peixoto (SP), na indústria AVIBRAS e no complexo do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), esses dois últimos localizados em São José dos Campos (SP).

Na fábrica da Embraer, a comitiva foi atualizada sobre o desenvolvimento dos projetos no segmento de defesa e segurança, principalmente o KC-390, aeronave multimissão de transporte desenvolvido pela empresa brasileira.

Nos hangares de montagem estrutural e montagem final, o grupo recebeu dos engenheiros da indústria as informações detalhadas sobre a construção do avião. A Embraer informa que o novo vetor aéreo já passou pela certificação inicial da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) e, em breve, passará pelo mesmo crivo no âmbito militar, sob responsabilidade da FAB.

Pelo decorrer da produção, de acordo com o Presidente e CEO da Embraer Defesa & Segurança, Jackson Schneider, o KC-390 deverá ser entregue em 2019.

“Tivemos a oportunidade de atualizar a comitiva sobre esses projetos, principalmente em relação ao KC-390, que está praticamente em etapa final de certificação, cumprindo seus testes de voos finais em missões militares”, declarou.

 

Capacidade tecnológica

De acordo com o Ministro da Defesa, o nível tecnológico encontrado no parque industrial o surpreendeu e demonstra a capacidade de produção do Brasil, cada vez mais independente.

“A guerra tende a ir para o espaço. O Brasil, pelo seu tamanho e pela sua profundidade estratégica, precisa muito de aeronave de transporte de pessoal, de carga, de reabastecimento em voo. Essa aeronave tem essa capacidade”, falou, em relação ao KC-390.   

A Embraer também apresentou os números gerados pela pesquisa e desenvolvimento de projetos e soluções na área aeroespacial.

Conforme relatório da empresa, hoje, mais de 5,5 mil pessoas do grupo estão dedicadas ao segmento tecnológico e mais de US$ 430 milhões foram investidos no setor, em 2017. Somente na área de defesa e segurança, a organização brasileira já atende 60 forças armadas em todo o mundo.  

 

Via – Força Aérea Brasileira