Emirates
Foto: Júlia Salgueiro

A Emirates relutou e tentou contornar a situação mas após uma reunião com a diretoria do Aeroporto de Heathrow/Londres decidiu que vai limitar suas vendas para as próximas semanas em razão da situação que o terminal se encontra com grande volume de voos.

A companhia aérea limitou as vendas de seus bilhetes até meados de agosto e vai trabalhar para conseguir ajustar sua malha de voos que partem de Heathrow. 

A Emirates não irá cancelar nenhum voo e vai cumprir com toda a programação de voos que já foram adquiridos e programados. A Emirates opera de dois a três voos diários em Heathrow e todos são com o Airbus A380.

Heathrow enfrenta dias caóticos

O Aeroporto mais movimentado do Reino Unido tem lidado com frequentes atrasos e cancelamentos em razão da movimentação, algo que não era esperado para esse ano. Como alerta, o terminal pediu que as companhias aéreas parassem de vender bilhetes extras até o fim do período de alta.

A partir de agora o Aeroporto de Heathrow (LHR) vai impor limite as operações aéreas, limitando a um fluxo de 100 mil passageiros diariamente. Esse número é 4 mil passageiros menor do que o normal. 

A medida adotada pelo terminal de Londres visa ter maior controle sobre os voos que estão ocorrendo, buscando diminuir os atrasos e cancelamentos que estão ocorrendo em grande escala. 

“Embora esse limite possa aliviar o caos inaceitável que os passageiros estão enfrentando no maior aeroporto do Reino Unido, milhares de pessoas agora estarão se preocupando se seus planos de voo ou férias estão prestes a desmoronar”, disse Guy Hobbs, diretor interino da Which Travel.

“Heathrow deve trabalhar com as companhias aéreas para fornecer rapidamente clareza sobre quais voos estão sendo cortados, e as companhias aéreas precisam ser abertas com os passageiros afetados sobre seu direito de serem remarcados na primeira oportunidade, inclusive em serviços de outras companhias aéreas”, completou.

O chefe do Aeroporto de Heathrow também comentou sobre a situação que o terminal está enfrentando.

“Nas últimas semanas, como o número de passageiros que partem regularmente excedeu 100.000 por dia, começamos a ver períodos em que o serviço cai para um nível que não é aceitável: longa fila horários, atrasos para passageiros que necessitam de assistência, malas que não viajam com passageiros ou chegam atrasadas, baixa pontualidade e cancelamentos de última hora”.

“Nossa avaliação é que o número máximo de passageiros que partem diariamente que as companhias aéreas, os agentes de assistência em terra e o aeroporto podem atender coletivamente durante o verão não é superior a 100.000.”

“As últimas previsões indicam que, apesar da anistia, os assentos de partida diária durante o verão serão em média 104.000 – dando um excesso diário de 4.000 assentos. Em média, apenas cerca de 1.500 desses 4.000 assentos diários foram vendidos aos passageiros, e por isso estamos pedindo às nossas companhias aéreas parceiras que parem de vender passagens de verão para limitar o impacto sobre os passageiros”.

 

 

Com informações do World Airline News