A empresa brasileira  DESAER — Desenvolvimento Aeronáutico e o CEIIA-Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto (empresa de bandeira portuguesa), assinaram um Joint-Venture, que visa o desenvolvimento, a construção e a comercialização da aeronave de transporte leve ATL-100.

“O ATL-100 é uma aeronave de uso civil e militar, com configurações para o transporte de passageiros (até 19 passageiros) e para carga (2,5 toneladas), com o objetivo de endereçar as necessidades de transporte regional em áreas já adensadas e nas regiões mais remotas, necessitando de pouco apoio de infraestrutura no solo e possibilidade de aterrar em pistas curtas e não pavimentadas”, diz a nota da CEIIA.

ATL-100- Arte DESAER

“O desenvolvimento do ATL-100 terá como alicerce o foco na sustentabilidade, não só pela aplicação de tecnologias menos poluentes em seus componentes, mas, também, pela perspectiva de utilização, no futuro, de novas tecnologias como motores elétricos”, disse a nota.

O CEIIA faz trabalhos no setor de desenvolvimento em várias áreas de indústria, como a automotiva, a aeronáutica, e de mobilidade urbana, são alguns exemplos. O centro foi formado em 1999 e atualmente tem sede em Matosinhos, distrito de Porto.

A DESAER é uma empresa nacional, constituída com essa denominação em 2017 e formada por pessoas com passado forte no ramo de desenvolvimento aeronáutico; está instalado no Incubaero – um departamento da Fundação Casimiro Montenegro Filho no ITA, um dos institutos de tecnologia e desenvolvimento dentro das instalações do DCTA em São José dos Campos (SP). O plano da empresa é ter o protótipo ATL-100 nos próximos anos.

Ainda foi dito no comunicado do CEIIA que, “o CEIIA e a DESAER entendem que esta parceria, que agrega competências complementares do setor aeroespacial de Portugal e do Brasil, além de ser um importante projeto de inovação tecnológica e de criação de renda e emprego em ambos os países, surge com especial relevância agora como um contra-ataque aos efeitos danosos sobre a economia mundial causados pela crise da covid-19”.

Fonte de apoio: RPT Notícias/ Adaptações: Aeroflap


 

 

 

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA