(Reuters) – A Stratolaunch Systems Corporation, empresa espacial fundada pelo bilionário Paul Allen, está fechando suas operações, cortando planos ambiciosos para desafiar as empresas aeroespaciais tradicionais em uma nova “corrida espacial”.

A empresa, uma unidade do veículo de investimento privado da Allen, a Vulcan Inc, vinha desenvolvendo um portfólio de veículos de lançamento, incluindo o maior avião do mundo em envergadura de asa, para lançar satélites e, eventualmente, humanos no espaço.

Allen, que fundou a Stratolaunch em Seattle em 2011, morreu aos 65 anos em outubro passado.

A Vulcan vem explorando uma possível venda dos ativos e propriedade intelectual da Stratolaunch, de acordo com uma das quatro fontes e também uma quinta pessoa.

Um representante da Stratolaunch Systems Corp se recusou a comentar. Esforços para alcançar a Vulcan Inc. para comentar não obtiveram sucesso. As quatro pessoas familiarizadas com o assunto falaram sob condição de anonimato, assim como a quinta fonte, citando a natureza confidencial do assunto.

Um porta-voz da Northrop Grumman Corp, dona da Scaled Composites, principal fornecedora do avião da Stratolaunch, se recusou a discutir as operações da empresa. A Stratolaunch pretendia lançar o pequeno Pegasus da Northrop a partir do avião da Stratolaunch em 2020.

A Stratolaunch de Allen foi comparada à Virgin Galactic, do bilionário Richard Branson – que está desenvolvendo um sistema similar de lançamento em alta altitude – Blue Origin, de Jeff Bezos, e a SpaceX, de Elon Musk.

Todos eles buscam lucrar com a crescente demanda por serviços de lançamento de satélites e, eventualmente, viagens espaciais, um mercado há muito tempo dominado por empresas como a United Launch Alliance – uma parceria entre a Boeing e a Lockheed Martin.

A peça central da estratégia da Stratolaunch era seu avião de transporte composto de carbono, com uma envergadura de 117 metros e motorizado por seis motores. O avião voou pela primeira vez em abril.

Em agosto de 2018, a Stratolaunch informou que um foguete planejado para o vôo médio já voaria em 2022 e afirmou que estava nos estágios iniciais de desenvolvimento de uma variante com maior capacidade de carga útil.

Ele também disse que estava projetando um avião espacial reutilizável para transportar carga para e da Terra e uma variante de acompanhamento que poderia transportar pessoas.

Em janeiro, três meses após a morte de Allen, Stratolaunch disse que estava desmantelando a parte de construção de foguetes da empresa, mas continuaria a se concentrar em seu avião. 

“Estamos otimizando as operações, com foco na aeronave e nossa capacidade de apoiar um lançamento de demonstração do veículo de lançamento aéreo Northrop Grumman Pegasus XL”, disse a empresa na época, segundo o site GeekWire.

Em 1º de abril, a Stratolaunch tinha apenas 21 funcionários, em comparação com 77 em dezembro passado, disse uma das quatro fontes. A maioria dos funcionários remanescentes estava concentrada em completar o vôo de teste do avião da companhia aérea.

Vários funcionários da Stratolaunch se mudaram para outras empresas aeroespaciais nos últimos meses, incluindo a Blue Origin e a Sierra Nevada Corporation, de acordo com uma análise dos perfis do LinkedIn.

 

Avião com maior asa do mundo finaliza com sucesso o primeiro voo