Air Force One Boeing 747
Arte do novo Air Force One- Foto: Boeing

A GDC Technics surpreendeu e anunciou que está entrando com um pedido de recuperação judicial com base no Capítulo 11 da lei contra falências dos EUA. O pedido da GDC pouco depois da Boeing ter entrado com uma ação contra a empresa.

A Boeing abriu um processo no dia 7 de abril que acusa a GDC Technics de não cumprir com os procedimentos no interior dos novos aviões presidenciais. A fabricante norte-americana ainda ressaltou que a não conclusão do trabalho atrasou o projeto em mais um ano.

A GDC Technics foi a responsável pelos dois aviões de transporte VIP da Índia, a empresa reformulou todo o interior dos Boeings 777-300ER. A especialidade da GDC é realizar modificações para aeronaves militares e também de transporte presidencial ou executivo.

O projeto que a empresa tem apostado firmemente é do ‘Air Force One’, o mais poderoso avião de transporte VIP do mundo. A participação da GDC nesse projeto junto a Boeing, fará com que a GDC ganhe ainda mais credibilidade no segmento. 

Mesmo enfrentando dificuldades financeiras, a empresa controladora da GDC Technics, Oriole Capital Group afirma estar comprometida fielmente ao projeto do ‘Air Force One’. A Oriole vai estar a frente das tratativas de resolver todos os problemas financeiros da GDC, para que os problemas não afetem o andamento do projeto.

Sobre o trabalho exercido pela GDC, a Boeing disse em comunicado afirmando que nenhuma decisão sobre mudanças na GDC foi tomada ainda.

“A Boeing está trabalhando para mitigar qualquer impacto a esses programas, bem como a qualquer um dos fornecedores secundários. Temos trabalhado com várias pequenas empresas que são fornecedores-chave de subníveis da GDC Technics e estamos engajados com todos os 52 subtiers de pequenas empresas que contribuem para esses programas da Boeing, no futuro imediato.”

“Além disso, estamos trabalhando em parceria com nossos clientes. A declaração de trabalho da GDC Technics será transferida para novos fornecedores qualificados e / ou executada internamente pela Boeing. Nenhuma decisão foi tomada neste momento.”