Embarcar deficientes físicos em uma aeronave sempre foi uma situação um pouco complicadas, mas que em breve ganhará uma facilidade devido aos novos tipos de assentos.

Esse novo design da foto acima é fácil de entender. Alguns assentos de uma aeronave, principalmente os localizados na primeira fileira, serão adaptados para receberem uma configuração híbrida, com a separação de suas partes.

A parte inferior do assento conta com uma estrutura separada e rodas, a possibilidade de separação do assento principal permite que essa parte sirva de cadeira de rodas, para o transporte do passageiro para fora da aeronave, onde o mesmo poderá se transferir para a sua cadeira de rodas.

Isso evitaria problemas, como a da jornalista Frank Gardner da BBC, que em março deste ano ficou por 1h30 dentro da aeronave aguardando a localização da sua cadeira de rodas, gerando um desconforto pela situação.

Esse conceito Air Acess, da foto acima, já teve interesse da Airbus, Embraer e Lufthansa, mas desde 2012 não foi para frente, e nunca incorporado em uma aeronave.

Mas com a discussão em vigor novamente, talvez esse seja o momento para as grandes indústrias do setor trabalharem em cima do aspecto certificação desse tipo de assento, visto que as aeronaves tem esse requisito de segurança para garantir que o assento garanta a sobrevivência de um passageiro, em caso de um acidente.

Atualmente a Airbus, IATA, Virgin Atlantic e a EASA estão liderando as discussões sobre esse assunto, com apoio do Governo do Reino Unido.

A empresa All Wheels Up, responsável por esse conceito já iniciou os testes de colisão e resistência desse tipo de cadeira, e se reunirá no próximo mês com a Airbus, na finalidade de ver medidas de certificação aeronáutica para esse tipo de assento.

A Virgin Atlantic colaborará fornecendo dados para encontrar um espaço adequado na cabine, de modo que o passageiro com deficiência não passe por mais problemas.

Dan Freeman, diretor de cargas úteis e engenharia de clientes da Boeing Commercial Airplanes, disse que a Boeing “apóia esforços que permitem mais acesso de cabine para pessoas com deficiências”. Ele acrescenta: “Embora existam limites e desafios ao projetar uma cabine, continuamos a inovar e trabalhar com nossos clientes para configurar a cabine de forma a atender às necessidades das companhias aéreas e de seus passageiros e tripulantes.”

 

Veja como funciona o mecanismo no vídeo abaixo:

 

Via – Aviation Week