Caças F-16C da Força Aérea Turca.

O Presidente turco Recep Tayyip Erdogan disse à jornalistas que o Presidente dos EUA, Joe Biden, afirmou que “fará seu melhor” para que os caças F-16 sejam vendidos à Turquia. Biden também teria dito que há apenas uma chance de 50% de que o Congresso e o Senado dos EUA aprovassem a compra. 

Erdogan fez as afirmações à repórteres do jornal Yeni Safak enquanto retornava da cúpula do G20, no domingo (31). Ele relatou que seu encontro com Biden ocorreu “em uma atmosfera muito positiva”, apesar das últimas tensões entre os dois países. Em outubro, Erdogan disse que que Washington havia proposto o financiamento de 40 caças F-16 e mais 80 kits para modernização.

Caças F-16C/D Fighting Falcon da Força Aérea Turca na Base Aérea de Knya durante um Exercício Anatolian Eagle. Foto: TuAF.

O negócio seria uma forma de compensação pelo montante de US$ 1.4 bilhão que a Turquia investiu no F-35. Ancara foi expulsa do programa do caça stealth depois de adquirir sistemas de defesa S-400 da Rússia. Um dia após a fala de Erdogan, o Departamento de Estado dos Estados Unidos negou o financiamento dos F-16.

“Como você sabe, temos um pagamento de US$ 1,4 bilhão. Sobre esta questão, negociamos a aquisição de F-16. Não vi nenhuma atitude negativa de Biden a esse respeito”, disse Erdogan. Atualmente a Turquia tem a segunda maior frota de F-16, com 245 caças em operação, atrás apenas dos Estados Unidos. 

O primeiro F-35A turco, que hoje se encontra com a USAF. Foto: Lockheed Martin.

A Turquia nega que o sistema de mísseis russo represente um risco à segurança, insistindo que os S-400 poderiam ser usados ​​de forma independente, sem integração aos sistemas da OTAN. O presidente turco também disse que seu país poderia comprar um segundo sistema de mísseis russo, apesar da polêmica em torno da compra inicial.

Síria e Economia 

Segundo Erdogan, ele e Biden também falaram sobre cooperações na Síria, Líbia, Afeganistão e no leste do Mediterrâneo. Nesta última região, as tensões entre Turquia e Grécia — que tem um atrito de séculos — tem aumentado por conta de reivindicações energéticas, diz a Associated Press. Os dois também discutiram o aumento da cooperação econômica e comercial.

A Turquia e os Estados Unidos também diferem fortemente sobre o papel dos combatentes curdos na Sírias. Os curdos são um importante aliado de Washington na batalha contra o Estado Islâmico. A Turquia os considera como “terroristas” afiliados a militantes curdos ilegais que lutam dentro da Turquia e exige que Washington suspenda seu apoio ao grupo.

“Se somos aliados na OTAN, nossos parceiros na OTAN não deveriam tentar tal coisa”, disse Erdogan. Ele reiterou que a Turquia está preparada para realizar outra ofensiva dentro da Síria para perseguir militantes curdos se for necessário.

DEIXE UMA RESPOSTA